'Jornada permitiu que Papa conhecesse a realidade dos jovens', diz padre

Diretor da Sala de Imprensa do Vaticano resumiu evento de forma positiva

Por thiago.antunes

Rio - "A Jornada Mundial da Juventude permitiu que o Papa Francisco realizasse seu desejo de conhecer a realidade dos jovens de hoje, estar próximo deles, falar com eles e com o povo, destacar a perspectiva dos mais pobres, traduzir e aplicar os principais ensinamentos da Igreja no campo social, fortalecendo a união e a fraternidade entre os cristãos e aproximando a Igreja dos fiéis e os fiéis da Igreja". Assim, o padre Federico Lombardi, diretor da Sala de Imprensa do Vaticano, resumiu os resultados, que considerou positivos, da presença do Santo Padre no Rio, neste domingo.

“O Papa Francisco queria vir ao Rio para falar com o povo e a Igreja e falou com ambos”, avaliou padre Lombardi. O sacerdote contou que no Rio, “em seu continente”, o Papa Francisco se sentiu à vontade, por falar na sua língua, estar em sua casa. “Isso permitiu a nós que estamos com ele a experiência de vê-lo mais espontâneo em seu contexto, em sua forma de se relacionar”.

O diretor da Sala de Imprensa do Vaticano observou ainda que, na JMJ e com as diversas mensagens do Papa Francisco na última semana, “começamos a entender como a Igreja pode contribuir para renovar a fé. A Igreja está sempre se renovando”.

Papa Francisco celebra Missa do Envio em CopacabanaAlexandre Brum / Agência O Dia

À Igreja no Brasil, o Santo Padre orientou para se fortalecer como uma “Igreja companheira”. “Devemos reformar nossas posturas para que a Igreja mantenha e aprofunde sua dimensão universal”, destacou padre Lombardi.

Elogiou ainda a rapidez com que o Rio – Igreja e governos – conseguiu organizar Copacabana para a realização da peregrinação, da Vigília e da Missa do Envio depois do cancelamento dos atos previstos inicialmente para Guaratiba.

Ao comentar a escolha da Cracóvia, na Polônia, para sediar a JMJ em 2016, padre Lombardi lembrou que será uma homenagem e terá um significado especial com a perspectiva de canonização do João Paulo II nos próximos meses.

Paes: 'Papa vai ficar feliz com bairro em Guaratiba

Eduardo Paes comemorou o sucesso da Jornada Mundial da Juventude neste domingo. Em coletiva realiza no Centro de Operações, o prefeito agradeceu ao Papa Francisco, aos peregrinos e aos cariocas "por terem realizado uma festa linda". Segundo Paes, como foi noticiado em seu Twitter mais cedo, o bairro popular que será construído no terreno que seria o Campus Fidei, em Guaratiba, vai receber infraestrutura e fará parte de parcerias como o programa Minha Casa, Minha Vida.

A região da Zona Oeste, que é bastante prejudicada e está com casas afundando devido à construção irregular em algumas áreas, se beneficiará com os investimentos já feitos pela Igreja e com os futuros investimentos da prefeitura.

Praia de Copacabana amanheceu completamente lotada por causa da vigíliaMaria Luiza Mesquita / Agência O Dia

Paes: 'Vejo Guaratiba como uma doação da Igreja'

"Iremos resolver o problema dessas pessoas. Vamos desapropriar o terreno por via judicial.O terreno já tem uma licença ambiental e será necessário investimento da prefeitura naquela região. Esse é o presente que a cidade ganha e acho que o Papa vai ficar muito feliz com o bairro popular, quando voltar em 2017. Vejo Guaratiba como uma doação da Igreja", disse.

Sobre os protestos ocorridos durante a Jornada, o prefeito enfatizou que todos têm o livre direito de se manifestar e que o Papa deixou uma mensagem para todos de que o diálogo é essencial na solução de problemas.

Questionado se a mudança de Guaratiba para Copacabana foi melhor por conta da centralização do evento, Paes afirmou que gostaria muito de ter feito a vigília na Zona Oeste. "É importante que a cidade espalhe seus eventos, foi por isso que fomos até o fim para tentarmos realizar a o evento em Guaratiba, mas não deu".

Vários comerciantes que investiram em mercadorias para vender para a população que participaria do evento na Zona Oeste ficaram prejudicados, o prefeito alegou que está pensando em como poderá compensar o prejuízo dessas pessoas."Me deram até a ideia de fazer um show no palco que está montado em Guaratiba", disse.

Multidão de peregrinos na saída de Copacabana

Depois do inesquecível espetáculo de fé, peregrinos sofreram para conseguir deixar o bairro de Copacabana usando transporte público. Como já era previsto, as estações Siqueira Campos e Cardeal Arcoverde do Metrô ficaram lotadas de fiéis. Milhares também deixaram o bairro a pé e seguiram para Botafogo e Aterro do Famengo em direção ao Centro.

Em seu discurso, o Papa anunciou cidade onde será realizada a próxima Jornada Mundial da Juventude: Cracóvia, na Polônia. "Queridos jovens, temos encontro marcado na próxima Jornada Mundial da Juventude, no ano de 2016 em Cracóvia, na Polônia", afirmou o pontífice. Após o anúncio, os jovens comemoraram a escolha e gritaram "Polônia".

Diversas autoridades e chefes de estado acompanharam a missa. Ao lado da presidenta Dilma Rousseff, prestigiaram o evento Evo Morales, presidente da Bolívia, e Cristina Kirchner, presidenta da Argentina.

Papa pede a jovens que propaguem o Evangelho

Durante a missa de encerramento, o Papa Francisco pediu para que os milhares de peregrinos professem sua fé ao voltarem para casa. "Nestes últimos dias, aqui no Rio, vocês puderam fazer a bela experiência de encontrar Jesus e de encontrá-lo juntos, sentindo a alegria da fé. Mas a experiência deste encontro não pode ficar trancafiada na vida de vocês ou no pequeno grupo da paróquia, do movimento, da comunidade de vocês", afirmou o pontífice durante a homilia.

Misturando a simpatia que lhe é peculiar com o rigor de um líder, Francisco destacou que a divulgação do evangelho não foi um pedido de Jesus, mas sim uma ordem que deve ser obedecida pelos fiéis.

Papa Francisco chega em Copacabana para a Missa do EnvioMaria Luiza Mesquita / Agência O Dia

"Jesus não disse: se vocês quiserem, se tiverem tempo, mas: 'Ide e fazei discípulos entre todas as nações'. Partilhar a experiência da fé, testemunhar a fé, anunciar o evangelho é o mandato que o senhor confia a toda a igreja, também a você. É uma ordem sim, mas não nasce da vontade de domínio ou de poder, nasce da força do amor", advertiu. "Jesus não nos trata como escravos, mas como homens livres, amigos, como irmãos. E não somente nos envia, mas nos acompanha, está sempre junto de nós nesta missão de amor", completou o Papa, que se dirigiu diretamente aos fiéis brasileiros e latino-americanos.

"De forma especial, queria que este mandato de Cristo - 'Ide' - ressoasse em vocês, jovens da Igreja na América Latina, comprometidos com a Missão Continental promovida pelos bispos. O Brasil, a América Latina, o mundo precisa de Cristo", disse. Segundo o líder religioso, algumas das características que costumam ser associadas aos latino-americanos os tornam importantes para a igreja. Ele ainda se lembrou do padre José de Anchieta, missionário que viveu no século 16, um dos fundadores da cidade de São Paulo e que foi beatificado pelo papa João Paulo II em 1980.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia