Uma aprovação ecumênica

Humildade e simpatia mostradas pelo Papa conquistam líderes de outras religiões

Por thiago.antunes

Rio - A simpatia e a humildade, demonstradas pelo Papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude têm criado admiradores num amplo espectro religioso. Judeus, espíritas kardecistas, adeptos da umbanda e do candomblé e fiéis da Assembleia de Deus, por exemplo, fazem coro ao elogiar o evento que dominou a cidade desde segunda-feira e ao reconhecer a liderança do Santo Padre.

Antônio César Perri de Carvalho, presidente da Federação Espírita Brasileira, é um dos que aprovaram a postura de Francisco. Para ele, a vinda do Papa teve o objetivo nobre de estabelecer contato com a juventude e estimular valores assentados na moral cristã.

Ele avalia que movimentos como a Jornada, que visam ao fortalecimento da família e da ética, com base no cristianismo, merecem apoio. “A própria figura do Papa estimula a simpatia e a simplicidade, facilitando a aproximação e a boa convivência entre as religiões”.

Além da humildade e da simpatia do Pontífice%2C foram elogiadas sua defesa da família e de valores comuns a todas as religiões%2C como a solidaiedadeJoão Laet / Agência O Dia

O entusiasmo dos kardecistas foi tanto que Carvalho enviou mensagem ao presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Raymundo Damasceno, elogiando a Jornada e a vinda do Papa. “Ele respondeu, agradecendo”, disse Carvalho.

Presidente da Federação Israelita do Rio de Janeiro, Jayme Salim Salomão traçou paralelo entre as duas religiões. “Tanto a Jornada quanto a vinda do Papa são muito positivas. Todos estamos trabalhando por um mundo melhor, e esse encontro é a tentativa de aproximar as pessoas. Família e ética são valores muito enraizados nas religiões judaica e a católica”.

Destaque também para a fé dos jovens

O pastor Isaías Coimbra, da Convenção Geral da Assembleias de Deus, disse ter ficado feliz com o evento. “É bom ver jovens tão fervorosos a ponto de passar frio, pegar chuva, vindos de todos os cantos do mundo para participar desse encontro ordeiro”.

Ele considerou a Jornada boa para a família, os jovens e a sociedade. “Não é a nossa igreja, mas a gente fica feliz de ver a juventude engajada na religiosidade”, afirmou.

Para o presidente da Federação Brasileira de Umbanda e Candomblé, Manoel Alves de Souza, mais importante que a religião é a religiosidade de cada um. Ela disse que o Papa representa Jesus Cristo, que está em todas as religiões. “A Igreja Católica foi muito feliz na escolha do Papa, pelo ser humano que demonstra ser, que preza a simplicidade e a humildade”.

Pastor batista critica a Igreja

A única voz que não se rasgou em elogios ao Papa Francisco foi a do pastor João Soares da Fonseca, da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro, no bairro do Estácio.

“Do ponto de vista social e cultural, a Jornada da Juventude e a visita do Papa são um grande movimento. E a presença de várias nacionalidades, sem dúvida, é um fator a ser elogiado”, admitiu o religioso.

Em seguida, Fonseca mostrou-se crítico. “Mas não podemos concordar com a questão doutrinária em si, porque a Igreja Católica se distanciou do modelo bíblico dado por Jesus. Portanto, minha avaliação é de que se trata de um grande movimento, mas que não altera a nossa visão da realidade”, alfinetou o pastor.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia