Mais Lidas

Vietnã fará referendo sobre lei do casamento gay

Vice-ministro de Saúde afirmou recentemente que os casamentos gays deveriam ser referendados pela lei para evitar discriminações

Por cadu.bruno

Vietnã - O regime comunista de Hanói estuda legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo e colocar assim o Vietnã no pilar da igualdade de direitos dos homossexuais na Ásia.

O vice-ministro de Saúde, Nguyen Viet Tien, afirmou recentemente que os casamentos gays deveriam ser referendados pela lei para evitar discriminações.

As declarações estão na mesma linha marcada pelo Ministério de Justiça, que em julho propôs incluir as uniões entre pessoas do mesmo sexo dentro da nova Lei do Casamento e da Família.

A proposta tem que ser aprovada pela maioria de 500 membros da Assembleia Nacional quando for realizada a votação no próximo ano, mas a simples possibilidade disparou o otimismo de muitos homossexuais do país.

"Vemos muitos sinais positivos. O Ministério da Justiça anulou as multas por celebrar bodas gays não oficiais e isso já é um sinal de boa vontade", disse à Agência Efe Tran Khac Tung, diretor da ICS, a única organização plenamente dedicada a defender os direitos dos homossexuais e transexuais do Vietnã.

Pelo menos três dessas cerimônias entre pessoas do mesmo sexo obtiveram repercussão da imprensa e das redes sociais nos últimos anos, o que contribuiu para avivar o interesse da opinião pública.

Tung ressalta que o trabalho que seu grupo realiza desde 2008 para conseguir notoriedade nos meios de comunicação está dando frutos e mudando pouco a pouco a mentalidade conservadora da maioria dos vietnamitas.

"A imagem dos gays está ganhando popularidade. Por exemplo, há uma série de televisão com um protagonista gay pela primeira vez e o povo gosta muito. Ao mesmo tempo, os parlamentares se mostram receptivos com nossas propostas e o clima internacional é propício", comentou.

Na mesma linha, o sociólogo Le Quang Binh, diretor do Instituto de Estudos sobre a Sociedade, a Economia e o Meio Ambiente, afirmou que a percepção dos vietnamitas sobre os homossexuais está se transformando em passos gigantescos.

"Ainda há muita gente que pensa que é algo ruim, mas cada vez menos. Ajudou que a imprensa e a televisão tenham dado mais importância a eles nos últimos anos", opinou.

Uma pesquisa realizada por esta instituição sem fins lucrativos em dezembro revelava que 58% dos vietnamitas se opunham ao casamento homossexual, contra 37% que apoiavam.

"Muitos rejeitavam principalmente pela impossibilidade de garantir a continuidade das sagas familiares, algo que os vietnamitas dão muita importância. Mas a maioria defendia a igualdade de direitos como princípio", destacou Binh.

O sociólogo mostra certo otimismo sobre o referendo da medida no próximo ano, embora não descarte que sejam aprovados alguns direitos aos casamentos gays sem chegar a legalizar os casamentos.

Apesar de alguns sinais positivos, Binh é consciente de que a proposta tem que vencer a resistência dos membros mais conservadores do Partido Comunista, que governa o país.

O vice-ministro de Justiça, Pham Quy Ty, declarou recentemente ao jornal "Tuoi Tre" que a eliminação das sanções pelas bodas não oficiais não significa que o casamento foi legalizado e se mostrou cético sobre a aprovação da medida em curto prazo.

Outras vozes advertem que o governo simplesmente tenta desviar a atenção perante a crise econômica e as guerras internas na cúpula do Partido Comunista.

"O primeiro-ministro Nguyen Tan Dung perdeu muitos apoios, a cúpula do poder está dividida e, além disso, receberam críticas internacionais por encarcerar os dissidentes. Tentam desviar a atenção com estas coisas, mas não acho que tenha recorrido", disse Le, um jornalista que prefere não revelar seu sobrenome.

Se finalmente o casamento homossexual for legalizado, o Vietnã se tornará o 15° país a fazer isso no mundo e o primeiro na Ásia, onde nações como a Malásia o consideram um delito.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia