Unidade antiterror francesa investiga facada em soldado

Esfaqueamento pode ter sido inspirado no assassinato de militar em Londres

Por juliana.stefanelli

França - Uma unidade antiterror da França está investigando o esfaqueamento de um soldado francês em Paris, que a polícia disse que pode ter sido inspirado pelo assassinato de um soldado britânico em uma rua de Londres .

A polícia está procurando um homem com barba, de cerca de 30 anos, e, possivelmente de origem norte-africana, que fugiu para dentro de uma estação de trem lotada, depois de atacar o soldado de 23 anos pelas costas, com uma faca ou com um estilete, no sábado.

O ministro do interior, Manuel Valls encarregou uma unidade antiterrorismo de Paris da investigação. Ele disse no sábado, que a dinâmica do ataque lembrou a assassinato do soldado britânico do dia 22 de maio. O porta-voz do sindicato dos policiais - UNSA - Christophe Crespin, disse que havia similaridades com o ataque de Londres. "Acho que essa pessoa quis imitar o que aconteceu em Londres," disse ele à Itele TV, afirmando que o soldado havia sido um alvo devido ao seu uniforme.

Mas Valls alertou que não se devem tirar conclusões precipitadas sobre um eventual ataque de militantes islâmicos, porque a polícia ainda não havia prendido um suspeito ou reunido provas suficientes para fornecer qualquer teoria sobre o motivo do ataque.

Uma fonte da polícia disse à Reuters que o assassino fugiu sem dizer uma palavra depois de atacar o soldado, que estava patrulhando o centro financeiro de La Defense, na região oeste de Paris, com outros dois policiais, quando foi esfaqueado na parte de trás do pescoço. Neste domingo, o soldado estava se recuperando em um hospital militar perto de Paris, segundo a mídia francesa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia