Ex-comandante do Costa Concordia vai a julgamento na Itália

Schettino diz que caiu acidentalmente em um bote salva-vidas

Por juliana.stefanelli

Roma (Itália) - O ex-comandante do cruzeiro Costa Concordia Francesco Schettino, de 52 anos, começa a ser julgado nesta quarta-feira, na cidade de Grosseto, na Itália. A primeira audiência do julgamento ocorreu há pouco mais de uma semana e durou apenas 15 minutos porque havia uma greve dos advogados. No acidente, em 13 de janeiro de 2012, 32 pessoas morreram e 64 ficaram feridas. O ex-comandante é acusado de vários crimes.

A acusação diz que Schettino foi negligente e responsável pelas, além de abandonar o navio e causar danos ambientais. A pena para ele pode ser superior a 20 anos. Schettino alega que não saiu do navio, mas caiu acidentalmente em um bote salva-vidas e diz que coordenou a operação.

Há suspeitas de que Schettino tenha feito uma manobra arriscada. O julgamento reúne 250 pessoas que apresentaram queixas e 450 testemunhas que poderão ser chamadas a depor. O acidente com o Costa Concordia, segundo investigações, ocorreu depois que o cruzeiro se chocou com as rochas em frente à Ilha de Giglio. Na embarcação havia 4.229 passageiros de 70 nacionalidades a bordo.

O navio tombou, causando pânico entre os passageiros, cuja retirada foi complicada em decorrência de falhas em alguns botes salva-vidas. Várias pessoas foram forçadas a se jogar no mar. Schettino está em liberdade desde o último dia 5, até então, ele cumpria prisão domiciliar em Meta di Sorrento, no Sul de Itália.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia