Preso ex-prefeito do município de Bangladesh onde edifício desabou

Líder municipal foi exonerado por 'negligência' e 'inatividade'

Por juliana.stefanelli

Daca (Bangladesh) - O ex-prefeito do município de Savar, em Bangladesh, onde em abril um edifício que abrigava fábricas têxteis desabou, deixando 1.127 mortos, foi preso, informou nesta sexta-feira a polícia local. Mohammed Refatula foi detido em seu domicílio na terça-feira. O ex-prefeito tinha sido destituído de seu cargo no início de maio por "negligência" e "inação". "O departamento de investigação criminal encontrou provas para sustentar uma acusação.

Refatula está na prisão à espera de julgamento", explicou o superintendente da polícia metropolitana da capital Daca, Habibula Rehman. Refatula foi prefeito de Savar por quase 15 anos e um líder do Partido Nacionalista (BNP), uma das duas formações que dominam a cena política nacional desde a criação do país, em 1971, e que atualmente é a principal força opositora.

O ex-prefeito é acusado de ter cometido "irregularidades" ao aprovar o projeto do edifício, que contava com nove andares e abrigava milhares de trabalhadores em diferentes oficinas têxteis, que produziam para grandes marcas estrangeiras. Além disso, não aprovou o fechamento do imóvel apesar da polícia ter alertado um dia antes do acidente sobre fendas na estrutura do prédio.

O acidente de Savar, o pior da indústria têxtil na história do país, causou a morte de 1.127 pessoas e deixou 2.438 feridos. A operação de resgate de corpos e remoção de escombros durou quase três semanas e colocou em evidência a precária situação do setor em Bangladesh, que tem a mão-de-obra mais barata do planeta.

O governo do país, representantes da indústria têxtil e sindicatos assinaram ontem um acordo para aumentar a supervisão e segurança nas fábricas do ramo. Além disso, no dia 15 de julho o Parlamento aprovou uma emenda à lei que obriga os empresários do setor industrial a melhorar as condições de trabalho, permitir a criação de sindicatos e instituir um fundo de ajuda aos funcionários.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia