Atirador de Washington estaria 'transtornado' após 11 de Setembro

Aaron Alexis, que matou 12 pessoas, era viciado em game violento

Por helio.almeida

Suspeito Aaron Alexis%2C de 34 anosDivulgação/ FBI

Estados Unidos - Um transtorno mental pode ter contrinuído para o ataque feito por Aaeron Alexis, de 34 anos, ao prédio da base naval norte-americana em Washignton, deixando 13 mortos, incluindo o atirador. As autoridades acreditam que o Alexis estaria apresentando um quadro em que estaria ouvindo vozes, após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, e envolvendo um incidente com arma de fogo, informou o "New yorke Post" nesta terça-feira, citando fontes policiais.

O suspeito fazia tratamento psicológico desde agosto, financiado pela Administração dos Veteranos, disseram funcionários ouvidos pela AP. Ele apresentava sintomas de paranoia e insônia, além de ouvir vozes. Como ele não foi declarado "mentalmente incapaz", o que teria revogado seu passe para acessar o complexo.

De acordo com seu pai, que não teve o nome divulgado pelas autoridades, Aaron sofria de estresse pós-traumático (conjunto de sintomas psicológicos que atingem pessoas que passaram por momentos trágicos como guerras ou grandes desastres) após os ataques terroristas contra o World Trade Center, em Nova York, e o Pentágono, em Washington DC.

Outros tiroteios de Alexis

Em maio de 2004, a polícia de Seattle (Washington) prendeu Alexis porque ele atirou contra os pneus do veículo de um operário de construção e, segundo confessou, o fez após um ataque de raiva, mas argumentou que não se lembrava do incidente até uma hora depois do mesmo.

Em 4 de setembro de 2010, Alexis foi acusado de envolvimento em um tiroteio no local onde vivia, um complexo residencial em Oak Hill Circle, quando atirou contra o teto de seu apartamento e em direção à residência de uma vizinha que, dias antes, tinha reclamado com ele no estacionamento por fazer muito barulho.

Acusado comprou arma na véspera

Alexis comprou a espingarda e duas caixas de munição usadas na chacina na véspera.

Como a checagem de seus antecedentes não revelou problemas, a venda foi concluída. Para o presidente americano, Barack Obama, o tiroteio mostra que os EUA precisam de melhor maneira de verificar se os compradores de armas têm problemas de saúde mental. “O fato de não termos um sistema de verificação de antecedentes suficiente nos torna mais vulneráveis a esses tipos de fuzilamentos em massa”, declarou.

Frequentador de templo budista

Alexis ia com frequência a um templo budista em Fort Worth e falava tailandês, assim como outros frequentadores, segundo reportagem do jornal "The Washington Post". Duas vezes por semana, Alexis fazia meditação onde se mostrava uma pessoa gentil.

"Eu não achava que ele podia ser tão violento", disse J. Sirun, assistente dos monges no centro. "Não teria me surpreendido se soubesse que ele se suicidou, mas não pensava que ele pudesse cometer assassinato."

Atualmente, Alexis trabalhava como funcionário terceirizado da Hewlett-Packard para atualizar os sistemas de computadores nas instalações da Marinha no mundo todo. Ele também trabalhava como garçom em um restaurante de comida tailandesa.

Nascido no Brooklyn, em Nova York, e morador de Fort Worth, no Estado do Texas, Alexis era um ex-prestador de serviços das Forças Armadas dos EUA e teria servido na reserva da Marinha entre maio de 2007 a janeiro de 2011, segundo agências de notícias.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia