Queda de edifício deixa seis mortos e 19 feridos na Índia

Cerca de 40 pessoas encontram-se soterradas após desabamento

Por juliana.stefanelli

Nova Deli (Índia) - Pelo menos seis pessoas morreram, 19 ficaram feridas e cerca de 40 estão soterradas após o desabamento nesta sexta-feira um edifício de cinco andares no qual viviam 22 famílias na cidade de Mumbai, na Índia, informaram fontes da unidade de controle de desastres da cidade.

O desabamento ocorreu por volta das 6h locais (21h de quinta-feira de Brasília), quando a maioria dos moradores dormia. De acordo com o número de famílias que viviam no prédio, estima-se que 40 pessoas ainda estejam sob os escombros.

22 famílias viviam no prédioEFE

As autoridades enviaram máquinas pesadas para o local do acidente, no sul de Mumbai, para auxiliar nos trabalhos de remoção dos escombros e permitir o trabalho das equipes de salvamento. Unidades dos bombeiros e quatro ambulâncias foram deslocadas para a zona e os feridos transferidos para hospitais mais próximos, onde morreram cinco das seis vítimas fatais.

As equipes de emergência conseguiram resgatar 19 pessoas, entre elas uma criança de dez anos, outro de dois anos e a uma mulher grávida. Um dos membros da equipe e salvamento ficou ferido. O edifício precisava ser restaurado com urgência, de acordo com relatórios que a imprensa local teve acesso.

O prefeito de Mumbai, Sunil Prabhu, assegurou que a justiça punirá os culpados pelo acidente. Os desabamentos em áreas urbanas são comuns na Índia devido na maior parte das ocasiões a pouca qualidade do materiais, má construção dos edifícios e a falta de respeito à legislação. Este é o segundo grande desabamento em Mumbai neste ano: em junho, dez pessoas morreram em um desmoronamento na cidade.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia