Greenpeace: Investigadores teriam encontrado drogas no barco 'Arctic Sunrise'

O advogado do Greenpeace na Rússia afirmou que 'o barco se encontra há muito tempo sem tripulação e sob controle de gente desconhecida'

Por bianca.lobianco

Rússia - Os investigadores russos responsáveis pelo caso dos ativistas do Greenpeace detidos e acusados de pirataria informaram nesta quarta-feira que encontraram drogas na embarcação "Arctic Sunrise", que foi utilizada pela ONG para realizar um protesto no Ártico contra a exploração de petróleo. "Durante a inspeção do barco, foram encontraram substâncias narcóticas (supostamente opiáceas e morfina). Está se estudando a origem destas substâncias e uso delas", disse Vladimir Markin, porta-voz do Comitê de Instrução da Rússia.

Segundo Markin, de acordo com dados obtidos durante a investigação "se prevê corrigir as acusações já apresentados (contra os ativistas)" "É evidente que vários dos acusados serão denunciados por delitos mais graves", acrescentou. O advogado do Greenpeace na Rússia, Mikhail Kreindlin, afirmou que "o barco se encontra há muito tempo sem tripulação e sob controle de gente desconhecida". "Não quero acusar ninguém mas nele poderia ser encontrado qualquer coisa", afirmou.

A própria Greenpeace Rússia, em sua conta no Twitter, disse que o material pode ter sido plantado na embarcação, que está vazia desde 24 de setembro, quando os ativistas foram levados para terra e detidos. "Nossas normas internas proíbem qualquer uso de substâncias entorpecentes", disse o advogado à agência "Interfax".

Os 30 ativistas detidos, entre eles a bióloga brasileira Ana Paula Maciel, estão em prisão preventiva até 24 de novembro. A Justiça russa rejeitou os primeiros recursos para sua libertação. O diretor do Greenpeace Internacional, Kumi Naidoo, pediu uma reunião urgente com o presidente russo, Vladimir Putin, para tentar libertar os ambientalistas. "Estou disposto a comparecer a qualquer parte do mundo de sua escolha, mas solicito que, se for possível, o encontro ocorra o mais rápido possível na Rússia", afirmou o diretor do Greenpeace em carta entregue na embaixada russa em Haia (Holanda) e divulgada pela ONG.

O diretor-executivo do Greenpeace Internacional se ofereceu para atuar como fiador da boa conduta dos ativistas se eles forem libertados mediante pagamento de fiança.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia