Jogar remédios no lixo comum polui e causa doenças

Quase 90% dos brasileiros não dão destino correto ao material

Por thiago.antunes

Rio - Cada vez mais medicamentos são descartados de maneira errada no país: 86% da população admite jogar remédios no lixo comum ou no vaso sanitário, segundo pesquisa da Faculdade Oswaldo Cruz. O hábito ameaça o Meio Ambiente: as substâncias contaminam com facilidade a água e o solo, causando prejuízos às plantas, aos animais e ao ser humano.

Quando medicamentos vencidos vão parar em aterros sanitários, há risco para os catadores, que podem fazer uso irregular dos produtos. Há prejuízo, também, para a segurança pública, já que há quadrilhas de traficantes especializadas em vasculhar o chamado lixo químico, segundo o superintendente de Saúde da Secretaria de Estado do Ambiente, Luiz Tenório. Ao contaminar mares e rios, as drogas causam danos ao organismo de quem tem contato com a água. Também podem ‘matar’ bactérias benéficas e fragilizar árvores e plantas quando atingem o solo.

Rombo em cofres públicos

“O risco é ainda maior com remédios de tarja preta”, destaca o consultor de Meio Ambiente Alessandro Azzoni. Já Luiz Tenório ressalta que o hábito causa um ‘rombo’ aos cofres públicos por causa dos danos ao ecossistema. “Não há como dimensionar o prejuízo, mas o diagnóstico desse descarte irregular é maléfico”, diz.

Clique no infográfico para ver maiorArte%3A O Dia

Mês passado, o Ministério do Meio Ambiente anunciou a aprovação da viabilidade técnica e econômica da implantação do sistema de logística reversa de medicamentos (compromisso dos fabricantes de receberem produtos descartados para destinação final adequada). O documento está em elaboração e será debatido pela indústria, governo e municípios.

No Rio de Janeiro, a questão deverá ser discutida no início de 2014. “Estamos chamando estado e municípios para que possamos fazer um fórum”, afirma Luiz Tenório. Ele conta que autoridades no assunto estão sendo convocadas para fazer uma análise crítica sobre o problema nã região. A ideia é criar uma própria legislação de logística reversa para o Estado do Rio.

Alternativas para o problema

Soluções existem, mas ainda não são disseminadas no país, como manipulação, fracionamento ou coleta seletiva. “Remédios manipulados não têm o problema do descarte porque são fabricados na quantidade exata para o usuário”, salienta a farmacêutica Cláudia Souza, da rede Officilab. O fracionamento — venda de quantidade certa para o tratamento, que evitando sobras — foi regulamentado pela Anvisa em 2005, mas enfrenta resistência do setor farmacêutico.

O projeto Descarte Consciente, da Droga Raia, é opção para quem quer limpar a gaveta e se desfazer de remédios vencidos. “Verificando a demanda dos clientes e iniciamos o projeto. A resposta foi muito boa, tem sempre grande procura”, afirma o farmacêutico Cleber Bernardes, responsável pela iniciativa. “Todos os medicamentos são escaneados pelo código de barras e, com isso, conseguimos relacioná-los e definir o destino”, diz.

A capital fluminense e Niterói foram as primeiras a contribuírem com o programa no Estado do Rio, a partir de maio de 2011. Hoje, há 20 pontos de descarte e arrecadação de mais de quatro toneladas de resíduos, desde o início da ação, incluindo a participação de Duque de Caxias e Volta Redonda.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia