Por bianca.lobianco
Publicado 05/12/2013 11:25 | Atualizado 05/12/2013 11:45

Argentina - Córdoba, a segunda cidade mais importante da Argentina, começou nesta quarta-feira a voltar à normalidade após uma onda de roubos e saques na madrugada desta quinta-feira. Na ocasião duas pessoas ficaram mortas e cerca de 200 feridas, coincidindo com uma greve de policiais que exigiam aumento salarial.

Saques em cidade argentina deixa dois mortos e mais de 200 feridosEfe

Os policiais retornaram no meio-dia de quarta-feira às ruas depois de fechar um acordo com o governo provincial e conseguir um aumento do salário básico e dos extras. Durante a paralisação da polícia, que durou um dia e meio, dezenas de pessoas saquearam supermercados e lojas e causaram grandes destroços em vários bairros da cidade, que fica a 800 quilômetros de Buenos Aires.

Os principais distúrbios ocorreram durante a madrugada de quarta, quando grupos de assaltantes se enfrentaram comerciantes e brigadas de vizinhos que tentavam proteger seus pertences.

Fontes médicas confirmaram a morte de duas pessoas durante a greve. Um deles é um jovem de 20 anos, que morreu com um tiro no peito, confirmou o diretor do hospital São Roque, Daniel Mercado. E o subdiretor do Hospital de Urgências, Rodolfo del Boca, também confirmou que "um homem de 85 anos morreu depois de passar mal quando assaltantes invadiram sua casa nesta madrugada".

Saques na Argentina deixa duas pessoas mortas e mais de 200 feridosEfe

Fotos dos autores nas redes sociais

O governador da província de Córdoba, José Manuel dela Sota, disse nesta quarta-feira, em entrevista coletiva, que os roubos foram obra de "bandos de delinquentes organizados".

Pelo menos 52 pessoas foram detidas até o momento suspeitos de participarem dos incidentes, e esse número deve aumentar nas próximas horas. Alguns dos saqueadores se fotografaram junto a seus botins e penduraram as imagens nas redes sociais junto a breves textos nos quais se orgulhavam dos roubos.

Após interromper sua viagem ao Panamá, o governador se comprometeu a buscar aos responsáveis e "que nenhum fique impune do dano que causou à cidade". Escolas, tribunais, bancos, edifícios públicos e comércios permaneceram hoje fechados em Córdoba.

Em dezembro de 2012, duas pessoas morreram e dezenas ficaram feridas durante uma onda de saques que começou na cidade de Bariloche e se estendeu a outras cinco cidades da Argentina.


Você pode gostar