Polícia britânica descarta participação de tropa de elite na morte de Diana

'Toda linha de investigação razoável foi seguida de maneira objetiva a fim de avaliar qualquer possível evidência', disse a Scotland Yard

Por bianca.lobianco

Inglaterra - A polícia de Londres informou nesta terça-feira que não existe uma "prova crível" sobre a participação das forças especiais britânicas (SAS) na morte da princesa Diana e de seu amigo Dodi al-Fayed em 1997.

A princesa Diana tinha 36 anos quando morreu no acidente em 1997Efe

A polícia recebeu em agosto novas informações sobre o acidente de trânsito no qual Diana, ex-mulher do príncipe Charles, e Al Fayed perderam a vida em Paris. Segundo divulgou na época a imprensa britânica, o novo material indicava uma possível participação das SAS e a denúncia teriapartido de uma fonte militar.

Em comunicado, a Scotland Yard disse nesta terça-feira que sua conclusão foi tomada após interrogar várias pessoas, cujas identidades não revelou, e de revisar os arquivos relacionados com o caso.

"Toda linha de investigação razoável foi seguida de maneira objetiva a fim de avaliar qualquer possível evidência", disse anota.

O texto afirmou ainda que não há provas que possam fundamentar a teoria sobre a participação da SAS. Quando o caso sobre a morte de Diana parecia encerrado, em 17 dea gosto a polícia britânica emitiu um comunicado no qual informava que avaliaria a "relevância e credibilidade" dos novos dados recebidos sobre a morte de Lady Di, mãe dos príncipes William e Harry. Sem detalhar a procedência dos dados, a Scotland Yard disse então que tentaria determinar o alcance dessa informação.

A princesa de Gales morreu junto a Al Fayed em um acidente de trânsito em um túnel de Paris enquanto era perseguida por fotógrafos. Em dezembro de 2006, uma investigação chegou à conclusão de quenão existiam provas que apontassem para possibilidade do assassinato, linha seguida pela polícia francesa. Outra investigação, aberta em Londres em 2007, responsabilizou pelo ocorrido o estado de embriaguez do motorista, Henri Paul, e os fotógrafos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia