Casais de primos: filhos podem ter doenças

Na vida real, bebês de pais como a Helena e o Laerte da novela têm riscos altos de males hereditários

Por thiago.antunes

Rio - Na novela ‘Em Família’, do autor Manoel Carlos, Helena (Julia Lemmertz) e Laerte (Gabriel Braga Nunes), primos de primeiro grau, se apaixonam ainda adolescentes e ela engravida. Na vida real, a ideia de manter um relacionamento entre parentes tão próximos é motivo de preocupação quando o casal decide ter filhos, já que dobram as chances de o bebê ter problemas graves de saúde, como surdez e retardo mental.

“Os primos recebem cargas genéticas parecidas e é justamente nessa proximidade que está o perigo. Ele é proporcional ao grau de parentesco”, explica o geneticista e integrante da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas Roni Zanenga.

A diretora-médica do Centro de Fertilidade da Rede D’Or-Vida, Maria Cecília Erthal, explica que no caso de primos em primeiro grau, a chance de anomalias congênitas é de 6% a 7%. Para segundo e terceiro graus, a estimativa cai para 5% e 4%. Em casais não-consanguíneos, é de 2% a 3%. Entre os males que podem acometer o feto estão surdez congênita, cegueira, retardo mental e nanismo, além da fibrose cística — que afeta todo o desenvolvimento e pode causar morte prematura — e a fenilcetonúria, que gera atrasos no sistema psicomotor.

Personagens de Gabriel Braga Nunes e Julia Lemmertz%2C na novela ‘Em Família’%2C são primos de primeiro grau Divulgação

E as doenças genéticas podem surgir não apenas na infância: cerca de 25% se manifestam no nascimento; os outros 75% ocorrem, em média, até os 15 anos, como as relacionadas à surdez e à cegueira. Por serem problemas ligados ao DNA, não há cura, explica Zanenga. Os tratamentos são apenas paliativos, para tentar melhorar a qualidade de vida dos portadores.

Segundo os especialistas, o bebê fruto do relacionamento entre primos deve ter uma triagem neonatal ampliada e um acompanhamento mais cuidadoso por toda a infância. “O ideal é que os pais tenham o cuidado de fazer a avaliação oftalmológica e da audição ao nascimento e aos 3 meses de idade. Depois, manter acompanhamento pediátrico regular, ao menos a cada seis meses na fase infantil”, recomenda Maria Cecília.

Para os casais de primos que pensam em ter herdeiros apesar dos riscos, o ideal é procurar aconselhamento genético junto a um especialista, antes da gravidez. No procedimento, o casal relata todas as doenças hereditárias conhecidas na família e passa por uma bateria de exames. A partir do relatório de risco, os futuros pais podem tomar a decisão com segurança e mais conscientes das possibilidades.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia