Nigéria suspende voos de companhia aérea na qual viajou vítima do ebola

Liberiano morto em Lagos foi internado em um hospital da capital nigeriana e se tornou o primeiro caso de ebola no país

Por clarissa.sardenberg

Nigéria - O governo nigeriano suspendeu as operações da companhia aérea ASKY depois que na última quinta-feira um cidadão liberiano, que viajou para Lagos pela companhia, morreu por causa do ebola, informou nesta terça-feira a imprensa local. "A companhia aérea não demonstrou nenhuma capacidade para prevenir outro incidente semelhante ou a chegada à Nigéria de uma aeronave com vítimas do ebola a bordo", afirmou a Autoridade de Aviação Civil da Nigéria (NCAA), citada pelo jornal The Punch.

A suspensão dos voos, explicou a NCAA, tem um efeito "imediato" e pretende proteger aos nigerianos desta epidemia que já causou mais de 600 mortos em África Ocidental, segundo os últimos dados proporcionados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Essa medida será efetiva até que a companhia aérea, com sede em Lomé (Togo) e que opera em África Ocidental, tome ações para "facilitar a detecção adequada dos passageiros em todos seus pontos de passagem", acrescentou.

O liberiano morto em Lagos, uma das cidades mais povoadas da África, foi internado em um hospital da capital nigeriana após viajar da Libéria com um voo da ASKY, e se tornou o primeiro caso de ebola no país.

Após a chegada do vírus à Nigéria, a maior companhia aérea nigeriana, Arik Air, também decidiu ontem suspender seus voos à Libéria e a Serra Leoa, os dois países de África Ocidental - junto à Guiné - afetados pela epidemia.

O diretor do Departamento de Saúde nigeriano, Jide Idris, assegurou que se realizaram testes médicos às 59 pessoas que tiveram contato com o morto, tanto no aeroporto como no hospital onde foi internado, e 20 delas já receberam alta. No entanto, criticou, a companhia aérea não divulgou o número exato de passageiros que estavam no voo, por isso não se puderam realizar os testes médicos a todos eles.

"Podemos afirmar categoricamente que a dia de hoje só temos um caso importado de ebola e uma morte. Nenhum nigeriano está infectado", disse Idris, que insistiu que "não há razão para o pânico". A doença - que é transmitida por contato direto com o sangue e fluidos corporais de pessoas ou animais infectados - causa hemorragias graves e pode ter uma taxa de mortalidade de 90%. Essa é a primeira vez que se identifica e se confirma uma epidemia de ebola na África Ocidental, pois até agora sempre se tinham produzido na África Central.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia