ONU volta a cobrar ajuda internacional contra 'ameaça global' do ebola

Vírus já causou mais de 1.900 mortes na África Ocidental

Por leonardo.rocha

Washington - As autoridades sanitárias da ONU voltaram a pedir nesta quarta-feira mais ajuda internacional para tratar a epidemia do ebola na África Ocidental, considerada uma"ameaça global". "Não estamos em posição de poder perder um só dia", disse o coordenador das Nações Unidas para o ebola, David Nabarro, que advertiu que "o surto está se movimentando à frente dos esforços para seu controle".

Agentes do Ministério da Saúde realizaram simulação a eventual caso de ebola em aeroportoFoto%3A Severino Silva / Agência O Dia



Em entrevista coletiva junto à diretora geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, Nabarro, que voltou recentemente de uma viagem da África Ocidental, disse que estes países "dependem muito" da solidariedade internacional. "Necessitamos de uma coordenação forte e poderosa para enfrentar esta complexa situação", disse Nabarro

A diretora geral da OMS indicou que se trata da epidemia "mais complexa" que as autoridades sanitárias reportaram até o momento, com mais de 3,5 mil casos registrados em Guiné, Serra Leoa, Libéria e Nigéria, e que resultou em mais de 1.900 mortos.

Entre as necessidades mais urgentes, Chan destacou a falta de camas de hospitais, ambulâncias para transferir os doentes e equipes médicas para atuar no terreno, devido ao aumento dos casos de contágio entre familiares dos infectados. Neste sentido, a diretora geral ressaltou que a detenção dos voos de algumas companhias aéreas em direção a alguns países afetados tem um impacto direto na população, que fica isolada e dificulta a chegada das equipes sanitárias de apoio e os carregamentos médicos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia