UA pede suspensão de restrição de viagens para países afetados pelo ebola

Conselho pede suspensão de medida e, no lugar, melhorar o controle do vírus que já matou mais de 2 mil pessoas na África

Por leonardo.rocha

Adis Abeba - O Conselho Executivo da União Africana (UA), reunido nesta segunda-feira em caráter de urgência em Adis Abeba, capital da Etiópia, pediu pela suspensão da proibição de viagens aos países afetados pela epidemia de ebola e, no lugar disso, melhorar o controle do vírus.

A cúpula da organização também pediu ajuda financeira e técnica internacional e do continente para os países atingidos pela doença, que já causou a morte de 2.097 pessoas, segundo os últimos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Cúpula da organização também pediu ajuda financeira e técnica internacional e do continente para os países atingidos pela doença, que já causou a morte de 2.097 pessoasReprodução Internet



De acordo com o comissário da UA para Assuntos Sociais, Mustapha S. Kaloko, em entrevista coletiva ao fim da cúpula, a organização desdobrará equipes de todo o continente para Guiné, Libéria, Serra Leoa, Nigéria e Senegal com a esperança de "romper o círculo do contágio em seis meses".

A presidente da Comissão da UA, Nkosazana Dlamini-Zuma, expressou seu medo quanto às dificuldades que atravessam esses países da África Ocidental - especialmente Guiné, Libéria e Serra Leoa - e afetem às economias africanas. Desde o começo, alguns líderes africanos manifestaram medo de que a doença possa reverter ou estagnar os lucros econômicos e as melhorias de segurança de alguns países, e especialmente daqueles que acabam de sair de conflitos, como é o caso da Libéria e Serra Leoa.

"Devemos garantir que o ebola não se propague para outros países, mediante a aplicação de procedimentos eficazes para detectar, isolar e tratar às pessoas que possam estar infectadas e proteger o resto da população", declarou Nkosazana.

Nessa linha, o secretário-executivo da Comissão Econômica da ONUpara a África (ECA), Carlos Lopes, disse que os países afetados estão sobrecarregados e necessitam do apoio de todo o continente, fundamentalmente em matéria de financiamento e meios para o controledo surto.

Segundo ele, a epidemia de ebola terá impacto econômico significativo, que se traduzirá na redução de vários pontos no PIB de Guiné, Libéria e Serra Leoa. O crescimento econômico da região poderia ser refreado pela redução da atividade mineira, a alteração dos ciclos agrícolas, a restrição do comércio e dos investimentos e o desvio de fundos públicos para combater o vírus. A epidemia de 2014 é a "mais complexa" de ebola que se conhece até o momento. Ao todo, já são quatro mil casos registrados, segundoa OMS.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia