Depoimento da cantora Kesha em 2011 desmente acusação de abuso sexual

Produtor Dr. Luke é acusado pela americana de tê-la forçado a 'usar drogas e álcool para tirar vantagem dela sexualmente'

Por clarissa.sardenberg

Estados Unidos - A cantora pop Kesha disse em um depoimento há três anos, liberado para consulta nesta terça-feira, que o produtor musical Dr. Luke nunca havia feito sexo com ela nem a havia levado a usar drogas, no mais recente episódio da batalha legal entre os dois antigos parceiros musicais.

Um advogado de Dr. Luke, cujo nome legal é Lukasz Gottwald, teve sucesso em pedir ao juiz de um tribunal de Nova York que abrisse os depoimentos de um processo de 2010 iniciado pelo ex-empresário de Kesha contra a cantora e produtora.

A cantora Kesha está processando o produtor Dr. Luke Divulgação

As declarações contradizem o processo de Kesha, cujo nome é Kesha Sebert, aberto na última semana, acusando o produtor de tê-la forçado a “usar drogas e álcool para tirar vantagem dela sexualmente”. No processo ela alega que o produtor a drogou e a estuprou.

O advogado de Kesha, Marl Geragos, disse que a cantora, de 27 anos, tinha sido ambígua naquele depoimento e havia sido ameaçada por Dr. Luke caso ela mencionasse o alegado abuso sexual a alguém.

“Ela vai para reabilitação e para terapia e é capaz de ser forte agora”, disse Geragos, acrescentando que as perguntas sobre as drogas e o sexo com o produtor provam que ela havia falado com seu ex-empresário sobre elas.

Em um depoimento de 2011, Kesha disse que ela não sabia se Dr. Luke, que produziu sucessos para estrelas como Katy Perry e Miley Cyrus, havia dado a ela “drogas que não poderiam ser comprar em uma farmácia”, e disse que os dois nunca tiveram uma relacionamento íntimo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia