Bela Adormecida da vida real: jovem dorme 22 horas por dia

Síndrome surge na adolescência e impede portadores de ter uma rotina normal

Por bferreira

Rio - Ter uma longa e reconfortante noite de sono é um desejo que todos nutrem. Mas para a britânica Beth Goodier, de 20 anos, dormir é um verdadeiro pesadelo. Portadora da Síndrome de Kleine-Levin, popularmente chamada de Síndrome da Bela Adormecida, a jovem costuma dormir até 22 horas por dia, o que a impede de ingressar na universidade ou deixar a casa da mãe, Janine.

Beth fica dentro de casa com a mãe vendo televisão nas poucas horas de vigília Reprodução

Os surtos da doença duram de dois a 30 dias, período em que a pessoa alterna sono profundo com vigília parcial. Segundo a especialista em medicina do sono Carolina Carmona, a doença, que afeta mil pessoas em todo o mundo, produz transtornos para além do sono interminável. “Ao despertar, os portadores tendem a confundir sonho com realidade e ficam limitados a cumprir as tarefas de casa. Além disso, também sofrem mudanças comportamentais”, diz a fisioterapeuta.

No caso de Goodier, a síndrome provoca atitudes infantis, que fazem com que necessite cuidados constantes da mãe. Esta chegou a abandonar o trabalho devido à doença da filha, que se manifestou pela primeira vez há quatro anos.

De causa desconhecida, a Síndrome da Bela Adormecida também não tem tratamento preciso. “Não há como curar a doença. A solução é simplesmente esperar que o paciente acorde”, explica Carolina.

SINTOMAS DURAM 15 ANOS

Em geral, a doença, que afeta mais homens que mulheres, se inicia durante a adolescência e desaparece de forma natural cerca de 15 anos depois. Muitas vezes confundida com males como epilepsia e narcolepsia, o diagnóstico da síndrome não é fácil. Geralmente, o caminho trilhado pelos médicos é excluir outras possibilidades. “Por isso, é importante estar atento em crianças que dormem demais ou sintam muita sonolência durante o dia. Pode ser um indício de surgimento futuro da síndrome”, aconselha a especialista.

“Não é bonito, é horrível”

“Não é bonito nem romântico, é horrível”. É assim que Beth Goodier define a Síndrome da Bela Adormecida. Com a doença há quatro anos, ela não pode estudar e precisa de cuidados constantes.

“Estou na idade de morar sozinha, mas não posso. É muito frustrante”, diz a jovem de 20 anos. Quando está acordada, ela assiste televisão. “Beth vê os mesmos programas várias vezes, pois gosta da previsibilidade”, conta sua mãe, Janine.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia