ONU pede diálogo entre EUA, UE e Rússia sobre Ucrânia no G20

Secretário-geral da entidade lamentou ter a impressão de que o mundo está dividido com durante a Guerra Fria

Por hugo.pernet

Austrália - O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu aos Estados Unidos, à União Europeia (UE) e à Rússia que conversem durante a cúpula do G20 para prevenir uma nova escalada militar na crise da Ucrânia. Ban garantiu na cidade australiana de Brisbane, onde acontece a cúpula, que a situação atual não é sustentável para a paz e a economia mundial. Além disso, lamentou ter a impressão de que o mundo está dividido como durante a Guerra Fria, e indicou que os acordos de Minsk são o caminho para se chegar a uma solução para a crise ucraniana.

Também disse que se reuniu com o presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro, Dimitri Medvedev, esta semana em Mianmar, para explorar fórmulas que levem a Rússia a atuar em favor da paz e da estabilidade na região. "Falei com líderes europeus e do resto do mundo e o que deveriam fazer é tratar este problema de forma harmônica e pacífica através do diálogo", disse Ban em entrevista coletiva anterior à abertura da cúpula. "A continuidade do conflito, das tensões e da violência nessa região da Ucrânia não ajudam em nada, não apenas em relação à paz e à segurança, mas também na economia", acrescentou o diplomata sul-coreano. O conflito na Ucrânia não está na agenda do G20, mas será uma das questões que a União Europeia tratará amanhã em reunião com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Putin chegou na última sexta-feira à noite a Brisbane para participar da cúpula, horas depois que o Exército ucraniano repeliu uma nova tentativa das milícias separatistas pró-Rússia de tomar o aeroporto de Donetsk, cidade no leste da Ucrânia controlada pelos rebeldes.

Com informações da Agência Efe

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia