Nova técnica de fisioterapia espanta monotonia das sessões tradicionais

Dançafisio mistura os movimentos necessários à recuperação com a ginga da gafieira

Por karilayn.areias

Rio - A prática da fisioterapia pode se transformar num martírio para pacientes obrigados a inúmeras e prolongadas sessões, durante o tratamento de problemas que afetam a capacidade motora. Querendo dar um fim à monotonia dos consultórios, o professor de dança Antônio Carioca resolveu levar os exercícios para o salão de gafieira. A dançafisio, como chamou a atividade, é oferecida todas as terças e quintas-feiras no Espaço Municipal para a Terceira Idade, em Nova Iguaçu.

A costureira Irismar (cabelos compridos)%2C vítima de AVC%2C achava que não voltaria a andar. Ela faz aulas há dois meses e já consegue dançar Divulgação

Fruto de pesquisa de um ano do dançarino com fisioterapeutas e pacientes, a nova prática mescla os exercícios de alongamento da técnica médica com lições de uma variedade extensa de ritmos musicais, como samba, valsa e bolero. Para o dançarino, as aulas, que atualmente têm cerca de 60 participantes, são um grande estímulo para a recuperação dos idosos.

“Essa junção torna o exercício mais interessante, e só a simples presença da música já cativa mais o paciente e a melhora dele tende a ser mais acelerada”, aponta o professor.
Para auxiliá-lo no projeto, Carioca convocou o fisioterapeuta Gustavo de Sousa, responsável pela parte médica das aulas. Trabalhando há pouco de mais de um mês com a dançafisio, o profissional já consegue enxergar ganhos aos pacientes para além da recapacitação motora. “As aulas também estimulam a coordenação motora geral, diminuem o sedentarismo, aumentam o tônus muscular e ajudam na perda calórica”, comenta.

Vítima de um AVC, Irismar Oliveira, de 59 anos, é uma das alunas de Carioca e Gustavo. Adepta da dançafisio há dois meses, a costureira garante que as aulas lhe trouxeram a esperança de viver sem sequelas do derrame, sofrido em junho. “Não acreditava que fosse voltar a andar, mas eles estão me ajudando a recuperar os movimentos”, festeja ela.

Astral também melhora muito, garantem alunos

As aulas do professor de dança Antônio Carioca também são capazes de melhorar o astral dos alunos, algo essencial para a recuperação médica dos pacientes. “Manter o bom-humor é algo fundamental no tratamento dos acidentados que recebemos aqui, e a combinação entre dança e medicina tem conseguido elevar a autoestima de todos eles”, garante o fisioterapeuta Gustavo de Sousa, que comanda as atividades.

A costureira Irismar Oliveira é a prova dos resultados proporcionados pela melhora do humor. “Ainda tenho limitações de mobilidade, mas em dois meses já sou capaz de dançar e me divertir”, afirma ela.

As aulas de Carioca e Gustavo são gratuitas e ministradas todas as terças e quintas, sempre às 13h, no Espaço Municipal da Terceira Idade, que fica na Rua Luiz de Matos 736, bairro da Luz.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia