Pedófilo britânico que tentou comprar menino no Brasil é condenado

Um de seus 34 crimes foi oferecer cerca de R$ 4 mil para um suspeito em SP para abusar sexualmente de uma criança

Por victor.duarte

Jason Paske%2C 40 anos%2C tentou comprar um menino de 6 anos em São Paulo com o suposto objetivo de cometer violência sexual contra eleBBC

Inglaterra - Um britânico de 40 anos tentou comprar um menino de 6 anos em São Paulo com o suposto objetivo de cometer violência sexual contra ele. Essa informação veio à tona no julgamento de Jason Paske, condenado nesta semana a 10 anos de prisão por possuir e distribuir pornografia infantil e por tentar promover relações sexuais com um adolescente.

Os crimes do suspeito ocorreram entre março de 2012 e maio de 2014, quando ele foi preso, segundo afirmou a polícia de Avon e Somerset à BBC Brasil. Um de seus 34 crimes foi oferecer 1.000 libras (cerca de R$ 4 mil) para um suspeito em São Paulo para abusar sexualmente de uma criança. O criminoso disse a ele que conseguiria uma família disposta a permitir que ele abusasse de um filho por 1.200 libras.

De acordo com a sentença do juiz Stephen Ashurst, da Corte de York, Paske desconfiou da oferta e pediu uma prova da veracidade da negociação. O suspeito em São Paulo teria então transmitido um vídeo ao vivo pela internet onde um menino de 6 anos de idade apareci nu, segurando uma mensagem escrita com os dizeres "Hello (olá), Jason".

Paske não chegou a viajar ao Brasil e o crime não foi consumado porque os criminosos não chegaram a um acordo. Porém, Paske foi condenado por diversos outros crimes, especialmente por possuir milhares de imagens de pornografia infantil.

Segundo a polícia, ele não só recebia as imagens pelo computador, como redistribuía material para uma rede de pedofilia. "Jason Paske é um homem horrendo e pervertido que representa uma ameaça à sociedade", disse o investigador Nigel Pepper, da Unidade de Proteção a Pessoas Vulneráveis da polícia de North Yorkshire, na Inglaterra.

"É muito satisfatório para todos os envolvidos na investigação que ele fique atrás das grades por um bom tempo", disse ele.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia