Monge mumificado há 200 anos 'pode estar vivo', afirma budista

Segundo especialista, monge estaria 'em estado profundo de meditação' e a apenas uma etapa de se tornar um Buda

Por victor.duarte

Monge mumificado há 200 anos "pode estar vivo"%2C afirmam especialistas e budistasReprodução / Morning News

Mongólia - Um monge mumificado há cerca de 200 anos encontrado na Mongólia "não estaria morto", segundo o médico Barry Kerzin, monge budista conhecido por cuidar de Dalai Lama. O religioso foi encontrado no dia 27 de janeiro no distrito de Ulan Bator, na Mongólia. Segundo especialistas, ele estaria "em estado profundo de meditação" e a apenas uma etapa de se tornar um Buda na vida real. Notícia foi divulgada pelo Siberian Times e ganhou destaques no Whashington Post e no Daily Mirror.

A múmia foi encontrada em bom estado de conservação, enrolado em pele de animais, e acredita-se que o frio da região tenha preservado o corpo. Exames forenses estão sendo realizados. Enquanto isso, o monge Barry Kerzin insiste que o religioso está em um estado espiritual raro e muito especial conhecido como 'tukdam'.

"Eu tive o privilégio de cuidar de alguns meditadores que estavam em um estado tukdam”, disse Kerzin, de acordo com a publicação.

"Se a pessoa é capaz de permanecer neste estado por mais de três semanas – o que raramente acontece – seu corpo gradualmente encolhe e, no final, tudo o que resta da pessoa é o seu cabelo, unhas e roupas. Normalmente, neste caso, as pessoas que vivem ao lado do monge enxergam um arco-íris que brilha no céu durante vários dias. Isso significa que ele encontrou um ‘corpo de arco-íris’. Este é o mais elevado estado perto do estado de Buda”, concluiu Kerzin.

O monge havia sido roubado de uma outra parte do país e seria vendido no mercado negro. O ladrão, de 45 anos e identificado apenas como Enhtor, foi preso e pode ser punido com multa de até US$ 43 mil e entre 5 e 12 anos de prisão. O monge mumificado está sendo guardado no Centro Nacional de Conhecimento Forense, na capital Ulan Bator, na Mongólia.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia