Polícia acusa talibã de envenenar pelo menos 100 estudantes no Afeganistão

Chefe da polícia provincial afirmou que todos perderam a consciência, mas não estão correndo risco de vida

Por victor.duarte

Afeganistão - A polícia do Afeganistão acusou nesta terça-feira os talibãs de terem envenenado, nesta segunda, a comida de um colégio religioso na província de Parwan, levando pelo menos 100 alunos e professores ao hospital após perderem a consciência, ação que os insurgentes rejeitaram.

"É uma ação dos inimigos do povo afegão, que esperam este tipo de oportunidade para atacar as pessoas nas mesquitas e nos centros religiosos", afirmou à Agência Efe o chefe da polícia provincial, Mohammad Zaman Mamozai, que informou ainda que todos já estão fora de perigo. Por sua vez, em uma conversa por telefone, o porta-voz talibã Zabihullah Mujahid rejeitou as acusações e afirmou que seu grupo não é contrário à educação. "Conhecemos o caso do envenenamento dos estudantes de Parwan. Não foi obra nossa", disse Mujahid.

Polícia acusa talibãs de envenenar mais de 100 estudantes no AfeganistãoReuters

A merenda servida na escola foi doada por moradores e hotéis da região, como acontece há 13 anos, explicou o diretor da escola, Abdul Rashid. "Não sabemos quem está por trás desta crueldade. Eu também fui envenenado. Comemos e depois caímos inconscientes. Quando acordei já estava no hospital", disse Rashid. Casos de intoxicações em escolas femininas são bastante frequentes no Afeganistão e, geralmente, estão rodeados de mistério, mas ações como essa não costumam ocorrer em escolas religiosas masculinas.

Nos últimos anos, foram vários os casos de envenenamentos em escolas de meninas, o último deles em 2013, quando 60 estudantes perderam a consciência depois de uma refeição. Os insurgentes são contrários à educação de mulheres e durante seu regime fundamentalista islâmico no país (1996-2001), elas foram proibidas de estudar. Desde a queda dos talibãs por conta da invasão americana, a comunidade internacional tenta impulsionar a educação feminina no Afeganistão.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia