Copiloto derrubou avião de propósito, diz investigação

Sozinho na cabine, ele não permitiu entrada do comandante, que saíra para ir ao banheiro

Por tamara.coimbra

França - Uma informação que levou pânico a quem viaja de avião foi divulgada pelos investigadores das causas do acidente com o Airbus A320 da Germanwings. O copiloto alemão Andreas Lubitz, 27 anos, lançou a aeronave de propósito contra a montanha, matando todas as outras 149 pessoas a bordo, além dele próprio, informou o promotor francês Brice Robin, à frente da investigação.

Segundo ele, a análise da caixa-preta que registra as conversas na cabine de comando revelou que Lubitz impediu a volta do piloto Patrick Sonderheimer, 53, ao local após ida ao banheiro. Daí em diante, o alemão iniciou a descida de dez minutos que culminou no impacto contra os Alpes, no sul da França. Gritos de passageiros podem ser ouvidos nos momentos finais da gravação.

Copiloto Andreas Loubitz não era suspeito de participar de qualquer organização terroristaReprodução Twitter

“Sua intenção era destruir o avião. Estava consciente até o último momento e não respondeu aos chamados dos controladores de voo”, afirmou Robin. O promotor não classificou a ação como suicídio. “Quem se suicida, morre sozinho. Com 150 pessoas a bordo, não diria que foi isso”, completou, insinuando a tese de homicídio e descartando a possibilidade de ação terrorista.

Carsten Spohr, CEO da Lufthansa, controladora da Germanwings, disse que “nem no pior pesadelo” poderia imaginar o ocorrido. O executivo garantiu que o copiloto estava “100% apto para voar” e que foi aprovado em todos os testes psicológicos da empresa durante o seu processo de seleção.

Morador de Montabaur, oeste da Alemanha, Lubitz estava na Germanwings desde setembro de 2013. Em 2009, interrompeu seu curso de formação por “alguns meses”, revelou Spohr, sem dar detalhes. Amiga de infância do copiloto, ouvida pela imprensa alemã, disse que, na época, ele sofria de depressão.

Outros amigos e vizinhos descreveram Lubitz como amigável, educado e “apaixonado pela aviação”. Ontem, policiais estiveram na casa dele e num apartamento que mantinha em Dusseldorf para recolher material.

Os pais de Lubitz já estavam ontem em Seyne-les-Alpes, cidade onde os familiares das vítimas estão hospedados. O casal foi separado do restante do grupo e levado para depor. A aeronave ia de Barcelona, na Espanha, para Dusseldorf, Alemanha.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia