Obsessão pelo corpo ideal já atinge até a infância

Pesquisa mostra que crianças de 6 a 8 anos têm preocupação como a de adultos

Por bferreira

Rio - A obsessão pela beleza não é um comportamento exclusivo de adultos. Segundo pesquisa norte-americana, 33% dos meninos e 55% das meninas entre 6 e 8 anos acham que o ‘corpo ideal’ é mais magro que o deles. Além disso, um em cada quatro pequenos já tentou fazer dieta. Os dados são da organização Common Sense Media, e constam do estudo ‘Crianças, Adolescentes, Mídia e Imagem Corporal’.

De acordo com o levantamento, mães que demonstram insatisfações com o corpo diante de meninas fazem com que as filhas tendam também a criar a mesma preocupação. Com esse pensamento, elas começam a cortar alimentos do cardápio, principalmente os calóricos, diz o pediatra e neonatologista Jorge Huberman. Além disso, no futuro, podem sofrer de bulimia, anorexia e anemia, além de terem a primeira menstruação atrasada.

“Os pais devem incentivar uma alimentação saudável, mas sem restrições. As crianças não podem deixar de ingerir nutrientes fundamentais na fase de crescimento, como proteínas e carboidratos”, alerta.

Outra influência apontada pelo estudo é a midiática. Segundo a pesquisa, atualmente os pequenos ficam expostos precocemente a imagens de corpos idealizados e, quando crescem, tendem a buscar a ‘perfeição’.

No caso dos meninos, há um desejo maior por mais força muscular. Já as meninas querem ser magras. A pesquisa mostra que 48% delas, quando chegam em idades entre 13 e 17 anos, pretendem alcançar o corpo de modelos.

O levantamento relata ainda que os pequenos sofrem influências dos amigos de escola. Jorge afirma que esse comportamento ocorre, principalmente, quando eles sofrem bullying e ouvem que são ‘gordinhos’. Sentindo-se inferiores, as crianças correm mais riscos de ter depressão e ansiedade. “Os pequenos criam dificuldades de manter uma boa autoestima. E também ficam sujeitos a ter mau desempenho escolar”.

Entre os principais sinaisde de que a criança está insatisfeita com o peso estão restringir alimentos do cardápio (principalmente os calóricos); preocupar-se constantemente com aparência; abusar de exercícios e comparar-se com outras pessoas.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia