Programa atômico do Irã será limitado e supervisado durante 25 anos

Acordo prevê que 95% de urânio já produzido pelo país seja diluído ou enviado ao exterior

Por victor.duarte

Suíça - O acordo fechado nesta quinta-feira em Lausanne (Suíça) pelo Irã e seis grandes potências prevê o levantamento das sanções nucleares impostas pelos EUA e a União Europeia (UE) contra a República Islâmica. O pacto, cujos detalhes técnicos e legais serão negociados até 30 de junho, prevê que a usina de enriquecimento de Natanz seja a única do Irã, enquanto a instalação subterrânea de Fordo será transformada em um centro científico civil, anunciou a responsável de política externa da UE, Federica Mogherini.

O acordo ainda prevê que o programa de enriquecimento de urânio do Irã seja limitado e supervisado por um período de até 25 anos, enquanto 95% de urânio já produzido pelo país deverá ser diluído ou enviado ao exterior. Além disso, o tratado pactuado fala de "controles rígidos" de até 25 anos de todas as atividades nucleares iranianas por parte da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Programa atômico do Irã será limitado e supervisado durante 25 anosReuters

Uma declaração conjunta com o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammed Javad Zarif, fala de um "exaustivo levantamento de todas as sanções" no futuro se o Irã cumprir com o pacto. Além disso, ambos qualificaram o estipulado como um "passo decisivo", que se tornou possível com "boa vontade".

Quanto à Fordo, uma das instalações mais polêmicas do Irã por estar situada debaixo da terra, o acordo prevê que ali não será enriquecido urânio, um material de duplo uso, civil e militar.

Segundo o que foi apresentado por Mogherini, em inglês, e por Zarif, em farsi, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) poderá usar tecnologia moderna e terá mais acesso às usinas no Irã para esclarecer assuntos pendentes do passado e do presente.

Isso faz referência a possíveis dimensões militares do programa nuclear do Irã, cuja investigação por parte da AIEA está estagnada há vários meses.

Finalmente, a declaração diz que o Conselho de Segurança da ONU adotará uma nova resolução que apoie este plano de ação, terminará com as sanções nucleares e restringirá outras medidas punitivas durante um tempo determinado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia