Cortes no orçamento britânico podem atingir até mesmo a família real

David Cameron estuda reduzir lucros, geridos pelo Tesouro do Reino Unido, da rainha Elizabeth II e seus herdeiros

Por clarissa.sardenberg

Inglaterra - Entusiasta das políticas de austeridade, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, estuda estender os cortes feitos pelo seu governo à família real britânica. Segundo o jornal "The Independent", o Tesouro britânico pretende iniciar uma "revisão de despesas" no Palácio de Buckingham.

Apesar do período de contenção de gastos, o orçamento do palácio aumentou em um terço neste ano, chegando a 40 milhões de libras esterlinas.

Família real durante viagem pela Oceania em 2014Reuters

Atualmente, a rainha Elizabeth II e seus herdeiros têm direito a 15% dos lucros da Crown Estate, fundação que administra um amplo patrimônio imobiliário no centro de Londres e que vem obtendo ultimamente resultados financeiros bastante positivos.

Seus fundos são geridos pelo Tesouro do Reino Unido, cujo chanceler, George Osborne, estaria pensando em reduzir essa fatia a partir de 2016. De acordo com a publicação, a medida é apoiada também por David Cameron, que foi reeleito no mês passado com uma plataforma de defesa da austeridade.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia