Imagem inédita revela o rosto ‘amável’ de Plutão

Superfície do planeta-anão tem formações que lembram um coração. Sonda espacial da Nasa levou nove anos viajando até se aproximar para coletar dados

Por bferreira

EUA - Após uma viagem de nove anos, a sonda espacial New Horizons chegou ao ponto mais próximo de Plutão na manhã de ontem, de acordo com a agência espacial americana (Nasa), responsável pela missão. O equipamento percorreu quase 5 bilhões de quilômetros (distância entre o planeta-anão e a Terra). Com isso, ficou a 12.500 km do corpo celeste, o ponto mais próximo que conseguiria alcançar.

A área mais clara%2C que lembra um coração%2C pode estar coberta por monóxido de carbono congelado Reuters

Uma das imagens divulgadas pela Nasa encantou o mundo, ao revelar um ‘coração’. O ‘rosto’ de Plutão inclui uma ampla área escura próxima à linha do Equador do planeta-anão, conhecida informalmente por cientistas como ‘a baleia’, além de uma área clara, o ‘ coração’, com cerca de dois mil quilômetros.

Com os dados enviados pela sonda, a Ciência vai analisar mais detalhes sobre a superfície e a temperatura de Plutão. Às 8h50, horário de Brasília, o relógio com a contagem regressiva da Nasa zerou, o que indicava que a sonda teria feito a aproximação prevista. Cientistas na sede da Nasa comemoraram.  

Os pesquisadores, porém, se preocupam com a ‘sobrevivência’ da sonda, já que na região há muitos meteoroides e destroços da formação do sistema de luas de Plutão, que podem bater nela.

A New Horizons foi lançada em janeiro de 2006, dos Estados Unidos, no foguete Atlas. Na ocasião, Plutão ainda era considerado planeta. Seu ‘rebaixamento’ a anão ocorreu em agosto do mesmo ano. A sonda viajou até Júpiter e usou a gravidade deste como ‘estilingue’ para acelerar sua velocidade. Desde então, ficou ‘adormecida’ e viajou pelo espaço, até ser reativada em dezembro de 2014.

A New Horizons carrega as cinzas do cientista Clyde Tombaugh, que descobriu Plutão em 1930. Segunda-feira, a Nasa revelou que o planeta-anão é maior do que se previa. Antes considerado o 9º e mais distante planeta do Sistema Solar, tem diâmetro de cerca de 2.370 km — em torno de 80 km a mais do que o estimado.

Segundo a agência Reuters, o fato de ser um pouco maior quer dizer que Plutão consiste significativamente de mais gelo e um pouco menos de água do que o previsto — um detalhe importante para cientistas determinarem a história de como ele e o resto do Sistema Solar foram formados.

“Nesse momento, as imagens revelam apenas que Plutão é um planeta realmente esquisito. Ele tem algumas áreas muito escuras, outras extremamente claras, e não sabemos nada sobre o que são ainda”, afirmou John Spencer, do instituto de pesquisa Southwest, um dos parceiros da Nasa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia