Estado Islâmico destrói mosteiro histórico e transfere 110 reféns

Construção Mar Elian tinha 1,5 mil anos. EI sequestrou 230 cidadãos na Síria, entre eles dezenas de cristãos

Por clarissa.sardenberg

Síria - O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) destruiu na noite desta quinta-feira o mosteiro Mar Elian, na cidade de Al Quariatain, na província central de Homs, na Síria, de onde transferiu 110 sequestrados, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos. O mosteiro foi construído há 1,5 mil anos.

Segundo a fonte, o Estado Islâmico derrubou o mosteiro utilizando escavadeiras e justificou sua ação defendendo que "o mosteiro não adora a Deus".

Terroristas do Estado Islâmico destruindo mosteiro construído há 1%2C5 mil anos na Síria Reprodução Internet

O Observatório assinalou também que o EI transferiu 110 reféns, entre eles dezenas de cristãos, que continuava mantendo sequestrados em Al Quariatain desde o começo do mês, à cidade de Al Tabaqa, na província do Al Raqqa, principal reduto dos jihadistas na Síria.

De lá foram levados a fazendas perto da cidade homônima, capital dessa província. O EI sequestrou 230 cidadãos em Al Quariatain, entre eles dezenas de cristãos, 45 mulheres e 19 crianças, além de 11 famílias. Desde então só libertou 48, segundo o Observatório.

A organização terrorista dará aos cidadãos sequestrados as opções de "se converter ao Islã ou pagar a 'yizia' (imposto para os não muçulmanos)", acrescentou a ONG. Enquanto isso, o destino de outros 70 dos 180 que continuam sequestrados é desconhecido até o momento.

Mosteiro Mar Elian antes de ser reduzido a pó pelo Estado Islâmico Reprodução Internet

Destruições em massa

O mosteiro de Mar Elian não é o primeiro monumento histórico destruído pelo Estado Islâmico. Com o discurso de derrubar tudo que não se encaixar na visão do islã que o grupo tem, eles já destruíram dois mausoléus em Palmira, também na Síria, e há o temor que destruam a cidade inteira - que foi erguida no século II e é considerada Patrimônio Mundial da Humanidade.

No Iraque, onde os jihadistas têm forte presença, eles devastaram a cidade de Nimrud - que guardava obras com mais de três mil anos de história -, destruíram inúmeras obras milenares em Mosul e também devastaram Hatra, que foi fundada no século III a.C. e era Patrimônio da Humanidade.

Além de detonar obras de outras religiões e povos, o EI também destrói parte da história dos muçulmanos de outras vertentes. No ano passado, explodiram a mesquita de Al-Arbain, local de sepultamente de 40 figuras importantes do islã, e a Igreja Verde, um prédio escavado na rocha no século VII. O grupo também é famoso por vender parte das obras que ficam nos locais históricos pela internet, como forma de financiar suas atividades.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia