Narguilé é pior do que o cigarro

Campanha do Dia Nacional de Combate ao Fumo mostra os males que o cachimbo causa

Por thiago.antunes

Rio - Apesar de trazer os mesmos riscos que o cigarro, o narguilé é visto por muitos como uma opção mais saudável. Para desconstruir essa ideia, o Dia Nacional do Combate ao Fumo, lembrado hoje, escolheu o objeto como tema.

Uma sessão de uma hora de uso do cachimbo de água equivale a fumar 100 cigarros, segundo estudo do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Isso acontece porque o volume de tragadas do cigarro alcança 30 a 50 ml entre cinco e sete minutos, enquanto no narguilé esse índice é de 1.000 ml por hora. Em 2008, o IBGE estimou que 300 mil pessoas usavam o instrumento.

O uso compartilhado do cachimbo de narguilé pode transmitir doenças como herpes e hepatite CReprodução

“As pessoas entendem que causa menos males que o cigarro, mas é o mesmo fumo”, garante Cristina Perez, consultora técnica da área de Prevenção e Promoção da Saúde da Fundação do Câncer. A especialista afirma que a hipótese de água filtraria as substâncias tóxicas não é verdadeira.” Faz mal do mesmo jeito”, alerta.

Outro mito seria que os sabores adicionados em alguns caximbos iriam diminuir o efeito. “É só para disfarçar o sabor desagradável”, ressalta. Esses sabores, contudo, muitas vezes servem para pessoas que nunca fumaram. E, depois, muitos passam a consumir o cigarro tradicional também. “Pode ser um produto para a iniciação”, salienta.

Cristina destaca ainda que, por muitas vezes ser usado coletivamente, o narguilé pode ajudar a transmitir doenças como herpes, tuberculose e hepatite C. Por fim, a fumaça do cachimbo de água causa o mesmo efeito que a do cigarro em fumantes passivos. O Perfil do Tabagismo entre Estudantes Universitários no Brasil mostrou que, em 2011, 80% dos estudantes que consumiam com frequência algum derivado do tabaco escolhiam o narguilé.

Número de fumantes está caindo

O índide de fumantes no Brasil está em queda, mas essa redução é menor entre as mulheres. Foi o que apontou levantamento do Centro de Medicina Nuclear da Guanabara (CMNG). O instituto analisou 1.600 pessoas, todas funcionárias de grandes empresas, e descobriu que 8,8% das mulheres usavam cigarro, contra 7,64 dos homens. A média foi de 8,1%.

Para Eduardo Duarte, coordenador do Centro de Check-Up do CMNG, a diferença é explicada pelo fato das mulheres, cada vez mais, adotarem hábitos masculinos. O médico acredita que será possível continuar reduzindo o número de fumantes. “Acredito que vai diminuir mais. A consciência está se fazendo cada vez mais presente”, avalia.

Programação

- Caminhada

Diversas atividades estão previstas para reforçar a conscientização contra o fumo. Em Volta Redonda, a Secretaria de Saúde promove caminhada hoje, às 8h30, na Avenida Alberto Lavinas. Programa Municipal de Controle do Tabagismo já beneficiou cerca de 2.500 pessoas.

- Palestra

Na segunda-feira, o Hospital São Vicente de Paula, na Tijuca, realiza, às 10h, palestra gratuita sobre os os riscos e que correm os fumantes e os benefícios de largar o vício. Inscrições: 2563-2147. O hospital fica na Rua Doutor Satamini, 333.

- Atividades

O Posto de Atendimento Médico de São Cristóvão, em Cabo Frio, promove, também na segunda, ações educativas sobre o tema. A Prefeitura também dispõe de Programa de Controle do Tabagismo. Os interessados podem se inscrever gratuitamente no Posto de Atendimento.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia