Nicolás Maduro ordena fechamento de mais uma parte da fronteira

Ele acusa grupos armados que contrabandeiam drogas de fazerem emboscada contra soldados venezuelanos em agosto

Por gabriela.mattos

Venezuela - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou o fechamento da fronteira entre seu país e a Colômbia em Paraguachón, aumentando assim a quantidade de bloqueios na região.

O decreto, baixado na noite desta segunda-feira, estabeleceu ainda um "estado de exceção" em mais três municípios - Guajira, Mara e Almirante Padilla - aumentando para 13 o número de áreas que vivem sob o regime especial. Também serão enviados cerca de três mil soldados para "proteger o povo" da região desses "criminosos".

Maduro ordena fechamento de mais uma parte da fronteiraEPA

Segundo o mandatário, a decisão foi tomada "após um diagnóstico preciso" de seus comandados e tem como objetivo "continuar avançando para combater os crimes de paramilitares e contrabandistas".

Maduro acusa grupos armados que contrabandeiam drogas e armas de fazerem uma emboscada contra soldados venezuelanos no mês de agosto. Por causa disso, ele fechou a fronteira em diversos pontos e deportou mais de 1,4 mil colombianos. Desde que a crise começou, quase 14 mil estrangeiros que moravam no país decidiram abandonar suas casas para não serem expulsos ou presos.

Mediadores sul-americanos

O presidente venezuelano fez o anúncio após aceitar a mediação do Brasil e da Argentina na crise entre as duas nações. Ele ainda propôs uma conversa com seu homólogo colombiano, Juan Manuel Santos, para resolver o problema.

"Aceitei a mediação do Brasil e da Argentina que viajaram até a Jamaica e me propuseram uma reunião em Manaus ou em Buenos Aires. E Santos, aceite minha boa vontade de falar com o senhor, se quiser, amanhã mesmo", disse.

A declaração de aceitar a mediação ocorreu horas depois de Santos ter aceitado que o presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez, assumisse o papel de tentar encontrar a paz entre as duas nações.

"Na semana passada, recebi um telefonema do presidente do Uruguai que ofereceu seus bons ofícios para facilitar o diálogo com a Venezuela. Aceitei seu oferecimento e o comuniquei que estava disposto que esta reunião fosse, inclusive, em Montevidéu", declarou Santos.

O chefe de Estado reiterou sua posição de reunir-se com Maduro para que, "através de um diálogo sério e respeitoso", a crise fronteiriça seja resolvida. De acordo com Santos, desde que a fronteira foi fechada no dia 19 de agosto, ele tenta falar por telefone com Maduro, mas todas as ligações que fez foram recusadas.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia