Mais Lidas

Hospital do Médicos Sem Fronteiras, no Iêmen, é bombardeado

Pelo menos quatro pessoas morreram e dez ficaram feridas

Por marina.rocha

Iêmen - Pela terceira vez em quatro meses, um hospital apoiado pela organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Iêmen foi bombardeado. O ataque, que aconteceu neste domingo, matou pelo menos quatro pessoas e deixou outras dez feridas, segundo a própria organização. O atentado aconteceu no distrito de Razeh, na província Saada, próxima à fronteira com a Arábia Saudita, um dos locais ainda controlados pelos rebeldes do movimento hutí.

Os feridos foram levadas ao Hospital Al Salam, na cidade de Saada. A MSF não informou se algum dos membros da organização está entre os feridos. A organização não acusou nenhuma das partes envolvidas no conflito e nem disse se o hospital foi atingido por um bombardeio feito por avião ou por terra. Alertou, no entanto, que havia aviões no local no momento do ataque, de acordo com publicação feita no Twitter da organização.

Centro médico da MSF fica na província Saada%2C local controlado por rebeldes do movimento hutíReprodução

Caso o bombardeio seja aéreo, tudo indica que o responsável seja, mais uma vez, a Arábia Saudita, que ataca com aviões e barcos de guerra o movimento insurgente hutí.

No final de março de 2015, com a vitória do movimento rebelde em grande parte do país mais pobre do mundo árabe, a Arábia Saudita, um dos aliados dos Estados Unidos no Oriente Médio, armou uma coalizão inédita de dez estados árabes para restituir o presidente reconhecido pela comunidade internacional, Abdo Rabu Mansur Hadi.

Desde então, os bombardeios aéreos à coalizão regional e os combates em terra entre os integrantes do movimento hutí e seus aliados, as tribos e as milícias converteram grande parte do país em um campo de batalha, com milhares de mortos civis e cidades antigas destruídas. Nesse contexto, as milícias islâmicas radicais, como a Al Qaeda e o Estado Islâmico ganharam força.

Desde que os Estados Unidos destruíram em bombardeio um hospital do MSF no Afeganistão em outubro do ano passado e mataram a mais de 20 pessoas, sem nenhuma consequência legal ou política, três hospitais ajudados pela organização internacional foram atingidos no Iêmen e um número ainda maior na Síria.

A Médicos Sem Fronteiras disse que havia informado a todas as partes envolvidas no conflito a localização exata de seus hospitais.

Ataque russo: Número de vítimas sobe para 81

Aumentou para 81 o número de mortos, incluindo 52 civis e prisioneiros, nos ataques da aviação russa contra uma prisão da rede terrorista Al Qaeda, no noroeste da Síria. A informação é do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

“O número de vítimas subiu para 81 mortos, incluindo 52 civis e prisioneiros, e 23 combatentes da Al-Nosra”, disse a organização não governamental, acrescentando que “há também seis mortos entre os rebeldes que estavam no edifício para tratar de questões administrativas”.

Esta é a terceira atualização do número de vítimas, que num primeiro momento tinha sido estimado em 39, e depois em 57 mortos.

A Rússia começou a intervir no final de setembro para ajudar as tropas do regime sírio a enfrentar os rebeldes e jihadistas. No final de dezembro, a OSDH afirmou que os ataques tinham feito 2,3 mil vítimas mortais em três meses, das quais um terço são civis.

Os moradores já haviam reclamado da localização da prisão, que fica muito próxima a uma área residencial. A região é controlada por opositores do presidente Bashar al-Assad desde o fim de 2012.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia