Rio atrasa plano de mobilidade

Demora impede pedido de novas verbas. População pode dar sugestões em site até julho

Por nicolas.satriano

Rio - Os cariocas têm até julho para enviar à prefeitura sugestões de projetos de mobilidade que gostariam de ver sair do papel na próxima década. A participação popular vai contribuir para a elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável (PMUS) do Rio, que já deveria ter sido apresentado ao Ministério das Cidades até 12 de abril, mas está atrasado. Desde então e até que o município apresente o documento que orienta os investimentos na área, a prefeitura está impedida de obter recursos orçamentários da União para novos projetos de mobilidade. Os que já estão em curso não serão afetados.

O plano que vai orientar os investimentos no setor de 2017 até 2026 começou a ser desenhado por técnicos da Secretaria Municipal de Transportes em dezembro, quatro meses antes do prazo final, conforme O DIA anunciou em fevereiro. O secretário municipal de Transportes licenciado do cargo, Rafael Picciani afirma que o atraso não compromete o planejamento, já que as obras contratadas não sofrem cortes pela lei federal e não há previsão de novos pedidos de verbas no curto prazo. Segundo ele, a demora se deu por causa do atraso da conclusão do Plano Diretor de Transportes Urbanos, feito pelo governo estadual para a Região Metropolitana, que também é usado como base para o PMUS. A prefeitura pretende concluir o documento até o fim do ano.

Nesta segunda-feira foi divulgada oficialmente a etapa participativa do PMUS. As sugestões podem ser dadas pela população no site www.pmus.com.br, através do canal “Mapeando”. A plataforma recebe propostas que terão impacto na infraestrutura viária, como a criação de novas rotas para BRTs e ciclovias. Segundo Rafael Picciani, 1.300 propostas de melhorias já foram cadastradas no site, no ar desde março. “O PMUS é como um papel em branco. Não só os técnicos vão construir o plano como as pessoas também podem se manifestar por experiências de seu cotidiano.

Outra opção de participação da sociedade é através do Desafio Ágora Rio, outro projeto da prefeitura. Nesta ferramenta, 383 sugestões de medidas para a mobilidade foram enviadas por cidadãos. Dessas, 20 estão em fase de votação popular no site vote.desafioagorario.com.br. As dez mais votadas serão analisadas pelos técnicos para possível inclusão no PMUS.

Restrição a estacionamento e taxa para carros entre as propostas

Quatro encontros presenciais serão realizados no mês que vem para que representantes da prefeitura ouçam pessoalmente as demandas da população. Os locais e horários das audiências públicas serão divulgados nas próximas semanas.

Duas propostas disponíveis para votação no site do Desafio Ágora mostram que os cariocas estão preocupados com o espaço ocupado pelos automóveis na cidade. Uma solicita a redução de estacionamentos em espaços públicos, incentivando o escalonamento de horários e a cultura do “home office” (trabalho em casa) nos órgãos públicos e empresas para diminuir o fluxo de automóveis. Outro propõe a criação de uma taxa para carros particulares que trafegam em regiões onde o trânsito é mais crítico.

Um dos projetos prevê a criação de padrões de qualidade para os pontos e estações de transporte público, como a colocação de coberturas, informações em tempo real sobre trajetos, horários de linhas e integrações e a nomeação de todos os pontos e estações de acordo com sua localização. Há ainda pedido de unificação dos sistemas de Bilhete Único para integrar todos os modais.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia