Prefeituras criam campanhas pelo fim do abuso de mulheres no transporte

Depois de destinação de vagões ao gênero em trens e metrôs, ações contra o assédio são cada vez mais comuns em ônibus

Por O Dia

Rio - O setor do transporte público embarca, cada vez mais, em campanhas para conter o abuso que eventualmente são praticados em mulheres no interior dos veículos. E, desta vez, foi a cidade de Curitiba que entrou na briga pelos direitos das usuárias e lançou, recentemente, a campanha "Busão sem Abuso". O movimento consiste em estimular denúncias, formalizadas por telefone, de todas as ocorrências e ainda encoraja a vítima a acreditar que não está errada. O material de apoio conta com cartilhas, cartazes e um portal da internet, onde há instruções e contatos para relatar as incidências à Polícia Militar e Guarda Municipal. A pena é de multa e o acusado está sujeito à prisão de seis a dez anos caso seja comprovada a conduta sexual forçada. Além de séria, a promoção virtual oferece que o internauta use charmosos memes, inspirados no famoso cartaz vintage “We can do it” (Nós podemos fazer isso), dos anos 40, nas redes sociais como forma de apoio.

"Eu não tolero abuso" virou o grito de guerra de campanha em Curitiba Reprodução Internet

Em Katmandu, no Nepal, a proposta foi além e a prefeitura da principal cidade do país vai disponibilizar ônibus exclusivos ao sexo feminino no horário do rush. O anúncio foi feito este mês e teve uma promessa de que se a experiência vingaram, será expandida a outras cidades locais.

No ano passado, uma campanha similar também foi criada no Distrito Federal. A chamada “Assédio sexual no ônibus é crime” sensibilizava para a proteção à passageira e promovia o acesso da vítima aos canais de denúncia. Outros locais como Joinville (SC) e São Paulo integraram o coro contra o assédio às mulheres no transporte. No Rio, veículos metroferroviários dispõem os chamados vagões rosas, exclusivo para mulheres, durante o horário de rush.

Chile também lança campanha para que homens tenham uma postura correta no transporte Reprodução Internet

Já Nova Iorque sedia uma campanha para mudar hábitos dos homens, de sentar de pernas extremamente abertas, e evitar o contato físico com demais passageiros. A tática foi espalhar pelas ruas cartazes para pedir que parem com tal postura. A posição já foi atacada em campanhas no transporte público do Chile, que associou a atitude masculina a uma tentativa de seduzir o sexo opostos. Esbarrões e inclinações das partes íntimas masculinas integraram a lista de outras restrições da mobilização chilena.

Últimas de _legado_O Dia no Coletivo