Mais Lidas

Antoninho Marmo Trevisan: Audição, não muletas

A falta de sinergia entre a presidenta Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda não contribui para a reafirmação da confiança dos investidores

Por bferreira

Rio - A crescente falta de sinergia entre a presidenta Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda não contribui para a reafirmação da confiança dos investidores. Se, de um lado, soa desconfortável para o Brasil a declaração de Guido Mantega de que “a economia cresce de pernas mancas”, também é verdade ser necessário que o governo preste mais atenção nas sinalizações do mercado e próprios especialistas dos organismos federais ligados à área econômica. Não será com as muletas de soluções paliativas que se corrigirão as deficiências. A principal ferramenta é o ouvido.

Portanto, não é prudente seguir ignorando o recente e grave alerta do corpo técnico do Tesouro Nacional. Claramente, esses profissionais de carreira referiram-se às manobras contábeis para fechar o balanço do governo, fator que suscita desconfianças. Em consequência, crescem as dificuldades para a rolagem dos títulos públicos. Por isso, o Tesouro paga juros cada vez maiores pelos papéis que joga no mercado financeiro, onerando o serviço da dívida.

Credibilidade é o fator essencial para o reaquecimento dos financiamentos ao consumo, a elevação a patamares mais expressivos dos investimentos produtivos internacionais e a continuidade do enfrentamento exitoso da crise mundial. Não basta, como tem agido o Planalto, o discurso relativo à preocupação fiscal, aos investimentos públicos em infraestrutura e às previsões otimistas, que nem sempre se concretizam.

Aliás, não é positivo o inusitado fato de que aqui até o passado é imprevisível, como ocorreu com a recente revisão do crescimento do PIB de 2012, que passou de 0,9% para 1%. Mais grave, ainda, é o erro na conta da revisão, que levou Dilma a declarar que a expansão havia sido de 1,5%. Fica a imagem de desentrosamento e baixa confiança nas estatísticas oficiais.
Recriar um ambiente favorável aos negócios não depende, é verdade, apenas do Executivo. É crucial que se concretize, por exemplo, o pacto antigasto firmado por Dilma, e por iniciativa dela, com a base aliada do governo no Congresso. O êxito quanto ao propósito do acordo, de evitar a aprovação de projetos que aumentem as despesas, depende basicamente de atitude positiva e consciente dos parlamentares.

O Brasil está num momento muito delicado. Ainda são sólidos alguns fundamentos econômicos, como o aumento da renda e dos salários, o baixo desemprego, a ampliação significativa do mercado consumidor e o bom desempenho do agronegócio e do comércio. Porém, há claros sintomas de enfraquecimento, como a perda de competitividade da indústria e a pífia performance da balança comercial. Ainda há tempo, condições e credibilidade remanescente para forte retomada do crescimento do PIB. Porém, é necessário ouvir, dialogar e adotar medidas em sintonia com as reais necessidades nacionais.

Presidente da Trevisan Escola de Negócios

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia