Editorial: Peso adequado para um crime hediondo

Avanço vem em boa hora, pois domingo se observa o Dia Nacional de Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - As penas mais rigorosas para quem comete crime de exploração sexual de menores, considerado hediondo em votação simbólica, quarta-feira, na Câmara — como mostrado ontem pelo DIA —, é movimento certeiro que poderia dar início a ampla reforma no sistema penal do país. É incontestável a gravidade de abusos de vulnerável e indução à prostituição infantil, desvios de caráter que, agora, têm a pena adequada: até dez anos de prisão, sem direito a apelações e com um período em regime fechado maior que em delitos comuns. Avanço que vem em boa hora, pois domingo se observa o Dia Nacional de Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Dificilmente não há dolo em quem alicia menores ou abusa de crianças. São pessoas que, dados o transtorno e o grave desvio de caráter, precisam ser privadas do convívio com a sociedade — daí o encarceramento ser necessário. Mas, num sistema penitenciário falho e superlotado como o brasileiro, é pertinente debater penas alternativas. Até porque o Judiciário tem grandes dificuldades em processar as toneladas de processos, e a polícia enfrenta entraves consideráveis para conduzir inquéritos. Com isso em mente, o país só ganhará se refletir quem realmente merece estar nas prisões.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia