Mais Lidas

Karla Rondon Prado: Natal com estranhos

A velhinha sorriu lindamente, toda formosa, segurou as sacolas e jogou um saco: ‘Tira um cartão de Natal’

Por bferreira

Rio - Maria passou atrasada para o compromisso e olhou para baixo. No piso da farmácia da esquina, uma mulher de menos de 30 anos se apertava debaixo da sombra com seu bebê no colo, gordinho, com uma chupeta azul. Os olhares se cruzaram. “Moça, me dá dinheiro para comprar comida?”. Viu a cena. “Você vai ficar aqui? Já volto”. Incrédula, a mãe respondeu que sim. Maria resolveu o compromisso, foi ao mercado e voltou com as sacolas. A pedinte e o neném não estavam mais.

Claro, por que aquela mulher, acostumada com “não tenho agora” e “daqui a pouco eu volto”, iria acreditar na outra, que passou correndo? “Mas eu olhei bem nos olhos dela!”, pensou, avaliando se aquela mãe saberia o valor de olhar no fundo dos olhos e de dar a palavra. Quantas pessoas já a enganaram na vida? Que oportunidades teve para acreditar na palavra de alguém? Com as compras na mão, seguiu em direção a Botafogo, procurando os dois em cada esquina. Alcançou a Rua Voluntários da Pátria e, em frente à Cobal, parou na camelô que vendia bonecos da Peppa Pig. “Viu uma mulher com um bebê por aqui?”. “Uma negra assim, da minha cor? É minha nora, foi para o Largo do Machado, porque aqui não estava rendendo nada”. “Mas ela estava pedindo dinheiro?”, perguntou. “Não, roupinha de neném”. Desolada, viu que não eram os mesmos e parou nos vendedores de bala mais à frente. “Ah, ela está em frente à floricultura! Um bebê bem branquinho?”

Caminhou até a Praia de Botafogo e resolveu ir embora. No táxi, sentiu uma tristeza profunda e foi muda, sem ar. A ponto de o taxista não tirar o olho do retrovisor, curioso. Ao chegar no Passeio, ele interrompeu seu pesar. “Oi. Vou abrir o vidro aqui porque sempre dou dinheiro a essa senhora”. A idosa vendedora de amendoim se aproximou, toda maquiada, batom rosa bem forte, para pegar as moedas. “Pergunta se ela quer comida”. A velhinha sorriu lindamente, toda formosa, segurou as sacolas e jogou um saco: “Tira um cartão de Natal”.

Depois de ganhar o dia com o sorriso iluminado daquela senhora, ainda estava bastante chateada e foi dar uma volta. Na fila da loja de rua, na boca do caixa, veio um menino muito nervoso, com uma garrafa na mão, todo sujo, e a abordou. “Não é assalto. Pode me dar um leite? Ela vai me dar fralda”, falou, apontando para a mulher atrás dela na fila, e voltando com duas latas. Maria pagou e saiu da loja, caminhando sob o sol quente. Nervosa com um problema, encontrou uma amiga e desabou a chorar. Foi quando um homem se aproximou, assustando as duas. “Você tem que encontrar Jesus. Se encontrar, não vai mais chorar!” E foi embora. Natal é olhar para todos que necessitam.

E-mail: karlaprado@odia.com.br

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia