Aristóteles Drummond: Legado para a modernidade

Estes 450 anos do Rio precisam deixar um legado de novas opções e projetos, fazendo da cidade um fenômeno de modernidade

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Não adianta muito ficarmos falando em crise, quando a vida continua e nossa cidade tem vida, animação e um povo que trabalha. Mesmo com 40 graus e Carnaval. Uma iniciativa da prefeitura que merece destaque é a expansão do Parque de Madureira, que ao atender a mais cinco bairros e criar uma formidável oferta de opções de lazer, incluindo um parque aquático, associará diversão ao convívio, pois as famílias irão se reunir perto de onde moram. A melhor idade estará atendida, com oferta de mesas, semelhante ao que ocorre em Copacabana, no Posto Seis, e jogos próprios para maiores de 75 anos.

A importante faixa de área verde livre, que vem da Baixada e entra pela zona suburbana do Rio, está sendo aproveitada a partir da colaboração da Light, que, primeiro, na gestão do presidente Confúcio Cavalcanti, no governo Collor, cedeu os terrenos para a Via Light. Anos depois, José Luiz Alqueres, que acumula vitoriosa carreira no setor elétrico e a paixão pelo Rio, lançou a ideia da continuação da Via Light até Cascadura e depois o Parque de Madureira, tendo prosseguimento agora com Paulo Pinto, que vem da mesma escola de acreditar na parceria das empresas com os governos.

É de se notar que uma cidade do tamanho do Rio e sua Região Metropolitana não pode concentrar a oferta de lazer. Esta concentração tem feito transbordar de gente as praias da Zona Sul e causar desconforto ao trabalhador e a suas famílias, que acabam exaustos ao final de um domingo. Iniciativas como o Parque de Madureira, o entorno do Maracanã-Quinta da Boa Vista, praias limpas na Ilha do Governador e Paquetá e melhores acessos a Guaratiba podem fazer uma cidade de convívio mais harmonioso. Sem arrastões.

Na revigoração do Centro como na área da Praça Tiradentes, mereceria atenção algo que criasse o roteiro das igrejas, que estão entre as mais bonitas do Brasil e da América Latina. A prefeitura tem gente com talento para entender como fazer. No caso do Flamengo, vale enfatizar que o uso da área da Urca até a Ponte Presidente Costa e Silva, incluindo as praias internas de Niterói, por barcos de turismo, lanchas ou mesmo jet-ski,em ancoradouro sólido perto do Monumento a Estácio de Sá, pode ser uma nova frente para o turismo, assim como o heliponto para voos panorâmicos. Tudo na parceria com o setor privado.

Estes 450 anos do Rio precisam deixar um legado de novas opções e projetos, fazendo da cidade um fenômeno de modernidade.

Aristóteles Drummond é jornalista

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia