Editorial: Anacronismo que assusta a população

Espera-se que, com fotos dos criminosos, a polícia faça o que se espera dela: a identificação e prisão dos ladrões do metrô

Por bferreira

Rio - Enfim divulgaram-se as imagens do bando que assaltou passageiros do metrô na noite de quinta-feira — e que provavelmente agiu no mesmo trecho duas semanas atrás. Espera-se que, com as fotos dos criminosos, a polícia faça o que se espera dela: a identificação e prisão dos ladrões. Mais uma vez, lamenta-se a falta de proatividade das autoridades. Agora que se contam duas dúzias de vítimas, a concessionária e o governo do estado acordaram instalar, “até o fim do ano”, câmeras nos vagões mais antigos.

É inviável pensar segurança pública nos dias de hoje sem monitoramento — tanto que um dos trunfos do estado nessa área é o Centro Integrado de Comando e Controle, que dispõe de dezenas de câmeras e trabalha com o CCO da prefeitura para estruturar ações rápidas de resposta ao crime. Logo, pontos cegos como o dos carros antigos do metrô, um anacronismo inaceitável, são prato cheio para o banditismo. As duas investidas, pela semelhança, expõem fraquezas que já deviam ter sido corrigidas.

Mas não só de câmeras depende a segurança pública nos transportes. Pôr um PM, fardado ou à paisana, em cada vagão e ônibus é impraticável — mas é possível, sim, bloquear caminhos, com policiamento ostensivo, e apostar maciçamente na inteligência. Mais uma vez, com as fotos dos suspeitos na rua, arma-se rede de informações que ajudará a polícia a prender os facínoras.

O que não pode é predominar essa terra de ninguém num meio de transporte usado por trabalhadores que só querem chegar em paz em casa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia