Editorial: Atenção total nas estradas no Carnaval

Acidentes terminam com a alegria de qualquer festa, destroçam famílias

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - O Carnaval do ano passado nas estradas foi o menos letal em quase uma década: registraram-se 2.785 acidentes no país, que resultaram em 120 mortes e 1.786 feridos, uma redução de 28% na mortalidade no trânsito no período entre a sexta e a Quarta-Feira de Cinzas. Números que ainda são alarmantes e precisam cair.

Pode soar utópico almejar estatísticas zeradas; mas, como grande parte dos acidentes decorre de imperícia e imprudência — em vez de ‘fatalidades’ —, existem meios eficazes para conter a violência nas estradas.

No Carnaval, a ação contundente das forças de segurança — seja via Lei Seca, seja via radares móveis, seja pelo simples patrulhamento — é o bastante para coibir práticas criminosas e comuns como beber e dirigir, abusar da velocidade, fazer ultrapassagens às cegas e trafegar pelo acostamento.

Acidentes terminam com a alegria de qualquer festa, destroçam famílias, geram despesas para o Estado e deixam marcas no asfalto.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia