Alberto Alves: Que venha a Paraolimpíada

Para o turismo, para além das medalhas, ganhamos a disputa por espaços positivos na mídia mundial

Por pierre

Usamos o maior evento esportivo do planeta para mostrar ao mundo quem somos e, para o espanto de muitos de nós mesmos, somos muito bons. Sim, temos defeitos e precisamos avançar, enquanto sociedade, em muitas áreas sensíveis. Mas, no geral, nossos aspectos positivos superam em muito as nossas mazelas. Para o turismo, para além das medalhas, ganhamos a disputa por espaços positivos na mídia mundial. Conseguimos promover o nosso povo, a nossa cultura e os nossos destinos. A Olimpíada extrapola e muito as quadras, campos e arenas esportivas. Trata-se de jogada ousada de marketing. Uma jogada comprovada historicamente, com o crescimento do turismo internacional de pelo menos 6% nos países que sediaram grandes eventos no ano subsequente às disputas esportivas.

Sem ufanismo infundado ou complexo de vira-latas, mostramos o charme e a beleza do nosso povo representado pelo desfile impávido e elegante de Gisele Bündchen. A simplicidade complexa da nossa cultura nas notas e melodia da bossa de Paulinho da Viola. A nossa liderança em alguns campos do conhecimento com o voo magnífico do 14-bis de Santos Dumont sobre o Maracanã e depois pela Cidade Maravilhosa, um símbolo forte para retratar um país exportador de aviões. A responsabilidade de uma nação que se preocupa com o meio ambiente e com o aquecimento global. A alegria desorganizada da sociedade ilustrada no crescimento dos nossos centros urbanos e das favelas.

Como num filme de roteiro às avessas, a abertura dos Jogos, com custo 85% menor que o da última edição, foi o clímax de uma história que retrata quem é o Brasil. Fomos honestos e nos mostramos tal como somos, com alguns defeitos e muitas virtudes. O mundo gostou do que viu. Quase 99% dos turistas nacionais disseram que a viagem ao Rio atendeu plenamente ou superou as expectativas. O índice de satisfação do público internacional superou 83,1%. Os maiores veículos de comunicação também se renderam ao Brasil, numa cobertura jornalística majoritariamente positiva.

Mas a história ainda não acabou, falta um capítulo importante que retrata a garra e a força de vontade do brasileiro, sintetizada no desempenho dos atletas paralímpicos. Mais uma vez vamos despertar a curiosidade e o interesse do planeta para este país, que, apesar de tantos problemas, consegue ser potência paralímpica. Por isso, que venha a Paraolimpíada.

Alberto Alves é ministro interino do Turismo

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia