Moradores do Chapéu Mangueira e Babilônia viram personagens de gibi

História de vida de superação são representados em animações na Feira Literária das Periferias, a Flupp

Por nicolas.satriano

Rio - Quatro moradores do Chapéu Mangueira e Babilônia com histórias de vida marcantes vão se transformar em gibis e animações, exibidos em lambe-lambes. A iniciativa é da Feira Literária das Periferias, a Flupp, que começa dia 3, com o lançamento dos ‘Quadrinhos Para Barbados’. “Ser retratado valoriza meu trabalho”, conta David Bispo, 43, dono do bar mais famoso das favelas.

'Ser retratado valoriza meu trabalho'%2C conta David Bispo%2C 43%2C dono do bar mais famoso das favelasDivulgação

Sua fala sobre a vida de seu Lúcio, líder comunitário e seu pai, morto há oito anos, serviu de base para uma história. “É uma forma de reconhecer tudo que ele fez pelas favelas.” E não para por aí: a FLUPP ainda prepara a Feira de Quadrinhos ‘Pente Fino’, dias 8 e 9, com a venda de criações de 15 autores independentes. E como parte das ações de divulgação para a festa está a Flupp Parque, uma gincana literária com alunos de escolas municipais que começa nesta terça. É ou não uma Comic-Con made in favela.

Planeta Mineira

Responsáveis pelo evento que sacudiu a Arena Mineira sexta e sábado passados, Pedro Paulo Ferreira, Julio César Jacinto e Nenel Silva comemoraram o sucesso do Planeta Ginga, evento de um grupo francês que levou feras como Mart’nália à favela. “Os gringos abraçaram a comunidade”, festejou Pedro Paulo, presidente da associação de moradores local.

Visitantes vão até o topo do Morro Dois Irmãos%2C com direito a tour pelo VidigalDivulgação

Sem crise no Vidiga

A crise que pouco a pouco mina o país passa longe do setor de turismo nas favelas. A guia Ana Lima, especializada em levar visitantes até o topo do Morro Dois Irmãos, com direito a tour pelo Vidigal, já fechou três turmas para levar ao mirante no feriado do Dia do Comércio. “E já estamos com um grupo para Finados”, conta ela, que trabalha mais com brasileiros.

Fala Roça em inglês

Michel Silva, que criou e dirige o jornal ‘Fala Roça’, sucesso de circulação na favela da Rocinha, vai começar a escrever matérias para o ‘The Guardian’, da Inglaterra. Ele foi convidado e aceitou o desafio de narrar histórias da favela onde nasceu e foi criado para o tabloide britânico. A cada três meses ele mandará uma reportagem sobre a maior favela do Brasil.

Microsoft na favela

O Comitê para Democratização de Informática (CDI) leva o projeto Hora do Código para a Maré, Chácara do Céu, Borel e Cidade de Deus. A parceria com a Microsoft integra a campanha ‘Eu Posso Programar’, que acontece em diversos países de 19 a 23 de outubro. O objetivo é trabalhar empoderamento digital e a formação de indivíduos autônomos e conectados.

O grito de alerta de Will Ribeiro

Responsável pela formação de atletas de MMA no Complexo do Andaraí, onde atua na UPP local, o multicampeão Will Ribeiro busca ajuda para receber mais 30 alunos. “Abrimos um núcleo na quadra da Rua Sá Viana, e estamos dando aulas de graça lá também. Mas precisamos de material”, conta o irmão Wladimir.

“Estamos sem tatame, luvas de boxe, caneleiras e capacete.” Aparadores de chutes também são bem-vindos. Will ficou paraplégico após acidente de moto, no auge da carreira, e agora se dedica a captar talentos nas favelas.

Agenda

DOAÇÃO NA ROCINHA
Na Rocinha desde 1963, a Ação Social Padre Anchieta pede doações para sua creche, como alimentos, produtos de limpeza e higiene, através da hashtag #doaaspa.

CUIDADOR NO BOREL
Continuam abertas as inscrições para o curso de cuidador de idosos, que começa em novembro na sede do Jocum Borel, às quartas e sextas, das 19h às 21h30.

NÃO À REDUÇÃO
Jovens do movimento contra a redução da maioridade penal preparam panfletagem para o opróximo fim de semana durante a realização do Exame Nacional do Ensino Médio.

PRETITUDE NO ALEMÃO
O Alemão faz amanhã a Feira Pretitude Econômica, de movimentos negros. O encontro, do Fórum de Enfrentamento ao Genocídio, será na Rua Sebastião de Carvalho.

Com Tássia di Carvalho

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia