O instrumentista da Rocinha

Jovem, que sonhava ser jogador de futebol, brilha na primeira orquestra de câmara da favela

Por felipe.martins

Rio - A maioria dos meninos sonha ser jogador de futebol e, até os 13 anos, Isaque Suzarte, hoje com 20, não era exceção. Um dia, após uma pelada, tudo mudou: ele foi apresentado à música clássica dentro da favela onde morava, a Rocinha. “Nunca pensei tocar um instrumento. Hoje acho lindo ir a um concerto.” O menino que gostava de funk e pagode, de repente se viu diante de dezenas de instrumentos que lhe foram apresentados na Escola de Música da Rocinha.

Isaque (D) viu sua vida mudar na Escola de Música da Rocinha que atende outros 200 jovensDivulgação

A curiosidade por vários instrumentos, tornou-se seu diferencial. “Toco sete instrumentos. Não é fácil, exige foco.” Ele sabe bem do que fala — ensaia seis horas por dia, seis dias por semana. O pai, pastor pentecostal, apoia. “Agora quero conseguir uma guitarra elétrica para tocar na igreja”, almeja. Sonhos não lhe faltam. “Não consigo me ver sendo mais nada além de músico. É o que nasci para fazer.”

A ORQUESTRA

A Escola de Música da Rocinha (EMR) funciona desde 1994 e em 2012 criou a primeira orquestra de câmara da favela. Segundo Gilberto Figueiredo, coordenador geral da EMR, são necessários no mínimo cinco anos de desenvolvimento do grupo para que o resultado artístico seja relevante. No entanto eles já encantam ouvintes em escolas, teatros, bibliotecas e parques pela cidade.

MÚSICAS ECLÉTICAS

O repertório da orquestra vai de Jackson do Pandero a Villa Lobos, passando por João Bosco. “Queremos envolver a comunidade com a música de concerto usando repertório popular e erudito”, justifica Gilberto. Mas nem tudo são flores para a escola, que já formou mais de mil alunos. A EMR precisa de apoio e conta com ajuda de pessoas para continuar se mantendo.

CRÉDITO PARA AGENTES CULTURAIS

Uma parceria entre Secretaria de Estado de Cultura, Rio Criativo e AgeRio irá fomentar o acesso de crédito para pequenos empreendimentos culturais. Os investimentos são de até R$ 15 mil para pessoas físicas ou MEI, com juros de 0,25 ao mês, 3% ao ano. A modalidade poderá custear equipamentos, cursos de capacitação, obras, etc. O prazo para pagamento é de até 24 meses, podendo ser concedida, carência de até três meses para o início da quitação. Mais informações pelo e-mail: talitamagar@riocriativo.com.

ADOÇÃO TARDIA

A adoção tardia é tema da peça ‘O Que Será de Nós Daqui a Quatro Anos’ do grupo ‘Os Arteiros’, da Cidade de Deus, que entra em cartaz hoje no Teatro Princesa Isabel. É a quarta montagem da trupe, que recebeu três prêmios no último Festival de Teatro da Cidade do Rio de Janeiro (melhor espetáculo; melhor direção; e categoria especial com a atriz Bruna Ventura).

PINTANDO O SETE

O Jornal Voz da Comunidade, de Rene Silva promove hoje o ‘Pintando o 7’, na Vila Olímpica Carlos Castilho, no Complexo do Alemão, a partir das 9h. O evento terá brincadeiras, shows, distribuição de brinquedos e livros, além de oficinas. A cereja do bolo será um supershow com o grupo ‘Dream Team do Passinho’.

JUVENTUDE REUNIDA

Hoje começa a 3ª Conferência Estadual de Juventude, que será marcada pela presença de jovens de periferias e do interior que nunca participaram de espaços de debate e construção política. No total, 86 municípios aderiram ao encontro, que será realizado na UERJ. “É a primeira vez que nossos jovens de favelas estarão na ponta”, conta Érica Portilho, uma das organizadoras.

NESTA QUARTA A CENTRAL ÚNICA das Favelas (CUFA) promove maratona cultural, esportiva e social para comemorar o Dia da Favela. Atualmente, 9 estados e 32 cidades brasileiras reconhecem a data. A festa acontece em várias partes do país, inclusive na sede da ONG, em Madureira.


AGENDA


DANÇA NA GAMBOA

Termina neste fim de semana o Dança Gamboa, com apresentações do espetáculo ‘Bô’, da Companhia REC. Os ingressos custam R$20 (inteira) e R$10 (meia-entrada).

CIRCO CRESCER E VIVER

O Circo Crescer e Viver está em cartaz com o espetáculo ‘Gira’. As apresentações gratuitas acontecem de quinta a sábado, às 20h, e domingos, às 19h, na Praça Onze.

TEATRO DE CAMA NO VIDIGAL

De hoje a segunda-feira, o Teatro de Cama abre as portas para a peça ‘A Beleza da Loucura’, no Vidigal, sempre às 20h. Informações pelo e-mail: teatrodecama@gmail.com.

MOUNTAIN BIKE EM CAXIAS

O Circuito Estadual de Mountain Bike em Favelas realiza pela primeira vez na Baixada, uma etapa da modalidade Downhill, na favela Vila Operária, Duque de Caxias, às 9h.

Com Tássia di Carvalho

Últimas de _legado_Rio sem Fronteiras