Composição do metrô tem problema técnico na Central do Brasil

Incidente ocorre um dia após volta para casa complicada para os peregrinos que assistiram a missa da Jornada Mundial da Juventude na Praia de Copacabana, na Zona Sul

Por tiago.frederico

Rio - Uma composição da Linha 1 ficou parada por volta de 4 minutos, na estação Central do Brasil, e chegou a ter sua iluminação interrompida. Passageiros assustados com a pane de quase duas horas na tarde do dia anterior, desembarcaram e resolveram procurar outros meios de transportes. Depois da energia restabelecida, por conta de problemas técnicos, o trem seguiu viagem.

O mesmo aconteceu com a SuperVia que teve a saída do trem especial interrompida, o expresso das 9 horas, que sai da estação Madureira. Por conta também de problemas técnicos o trem não partiu e teve a composição retirada pela SuperVia para reparos. Os outros ramais estão com a circulação normal.

Centenas de pessoas ficaram sem transporte por causa do fehamento do metrô nesta terça. Na imagem%2C a Estação Carioca lotadaJoão Laet / Agência O Dia


As Linhas 1 e 2 do metrô ficaram interrompidas por cerca de duas horas na noite desta terça-feira. Por volta das 16h30, uma queda de energia na Estação Uruguaiana interditou a Linha 2 e, às 17h25, a Linha 1, que funcionava da Estação Siqueira Campos até a Glória. Segundo a concessionária responsável, as linhas entraram em operação às 18h50.

Peregrinos penam na volta da missa da Jornada

A volta da missa que marcou o início da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) na noite desta terça-feira, na Praia de Copacabana, na Zona Sul, foi um verdadeiro teste de fé e perseverança para os peregrinos que acompanharam a celebração. À 1h30, brasileiros, argentinos e italianos esperavam por ônibus na Central do Brasil e lutavam por um lugar nos poucos que circulavam do Centro para a Zona Oeste, onde a maioria estava hospedada. Uma estrangeira sofreu uma tentativa de furto.

Peregrinos sofrem na espera por ônibusOsvaldo Praddo / Agência O Dia


Segundo o DJ Leandro Amaral de Paula, de 19 anos, de Itu, em São Paulo, os poucos ônibus das linhas 397 e 398 já passavam pela Central do Brasil lotados. Ele e outros 27 jovens esperaram por cerca de duas horas uma condução para Campo Grande, na Zona Oeste. Ao sair de Copacabana, o objetivo do grupo era embarcar em um dos trens na Central do Brasil. Eles, no entanto, foram desaconselhados pelo motorista do ônibus que pegaram a desistir da ideia devido a insegurança do transporte durante a madrugada.

Ele revelou ainda que uma peregrina foi vítima de uma tentativa de furto. Segundo Leandro, um homem abriu a bolsa da jovem e chegou a pegar a carteira dela quando ia embarcar em um ônibus. O bandido, porém, deixou o objeto cair no chão e fugiu. Tudo foi recuperado. Ele criticou a falta de segurança na Central do Brasil e a perspectiva do grupo embarcar em um ônibus devido a demora.

"Esse tipo de situação cria uma imagem ruim para o Brasil. Além de brasileiros há italianos, argentinos aqui no ponto na mesma situação. Ainda vamos sediar a Copa do Mundo e as Olimpíadas", alertou o técnico em segurança Mateus Henrique, de 18 anos, também de São Paulo. O grupo conseguiu embarcar para Campo Grande por volta de 2h.

Apesar da longa espera por ônibus%2C peregrinos não perderam a alegriaOsvaldo Praddo / Agência O Dia


Um grupo de cerca de 40 jovens argentinos penou por cerca de cinco horas na Central do Brasil para também seguir para Campo Grande. Apenas com o cartão de transporte especial para a Jornada, que permite até oito viagens por dia, eles tiveram que acionar a paróquia onde estão hospedados em Campo Grande. O ônibus que trouxe o grupo da Argentina fez o resgate dos "hermanos" em um posto de gasolina em frente a Central do Brasil, onde eles se abrigaram, depois de ficar abandonados em um ponto de ônibus.

Bióloga em busca de indonésios na Central

"É um absurdo deixar esses jovens estrangeiros indefesos, expostos a toda a sorte num lugar que todos sabemos que é perigoso como a Central do Brasil. Ainda bem que o ônibus deles veio buscá-los. Vou dormir tranquilo. Fiz a minha boa ação durante a Jornada", desabafou Maurício Luis Paiva, de 44 anos, que ajudou a 'protege'r o grupo na Central do Brasil.

Motorista do consórcio Intersul, ele transportou no ônibus da linha 415 (Usina-Leblon) o grupo de argentinos até a Central do Brasil depois da missa em Copacabana. Ao voltar à Central para ir para casa, em Campo Grande, por volta de 1h, encontrou o grupo no mesmo lugar.

A bióloga Ana Paula Simões Piccoli, de 32 anos, foi até a Central do Brasil tentar localizar um grupo de 80 indonésios que foram a missa em Copacabana. De um grupo de 100, apenas 20 deles chegaram à Paróquia de Santa Cecília, em Brás de Pina, na Zona Norte, onde estão hospedados. Integrante do grupo de oração da Renovação Carismática da igreja, ela disse que a maioria não conseguiu embarcar nos trens da SuperVia, devido ao grande número de fiéis. A última composição, ainda de acordo com ela, saiu da Central à 1h.

"A Prefeitura do Rio fez um esquema de trânsito que não funcionou ou pecou pela falta de informação. Não deu vazão. Não tem ônibus, não tem trem", criticou Ana Paula.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia