Professor de vôlei forma campeões para a quadra e para a vida

Em Nova Iguaçu, Carlão Silva já ensinou o esporte a cerca de 1.600 meninos e meninas de 9 a 17 anos

Por julia.amin

Nova Iguaçu - Retirar crianças e adolescentes da ociosidade e educá-las através do esporte é o objetivo do ex-jogador de vôlei de praia Antônio Carlos da Silva. Atleta profissional por mais de 10 anos, Carlão, como é conhecido, abriu mão da carreira aos 31 anos para se dedicar ao Centro de Treinamento Carlão Silva, projeto social que ele desenvolve em Nova Iguaçu desde novembro de 2002.

Aos 39 anos, Carlão já ensinou o esporte a cerca de 1.600 meninos e meninas de 9 a 17 anos na quadra da Praça do Skate, no Centro de Nova Iguaçu. O principal objetivo do projeto, explica o ex-jogador, não é formar novos atletas, mas sim cidadãos de bem. “Cada vez mais adolescentes se envolvem com as drogas e a violência. Usamos o vôlei como ferramenta de educação e para mostrar um outro caminho e que eles podem vencer através do esporte”, conta Carlão.

Há uma década%2C a rotina de Carlão Silva é orientar%2C na Praça do Skate%2C os jovens alunos. Da areia de Nova Iguaçu%2C muitos saíram para brilharPaulo Alvadia / Agência O Dia


A formação de jogadores é o objetivo secundário. Mas em meio a tantos jovens que já passaram pelas mãos de Carlão Silva, é comum o surgimento de novos talentos no esporte. O mentor do projeto revela que pelo menos 20 jovens que aprenderam a dar os primeiros saques e cortadas com ele estão em grandes clubes do Rio, como Flamengo, Fluminense e Botafogo.

Um deles é Glauber Matheus Soares Thomé. Morador de Nova Iguaçu, ele entrou para o projeto aos 16 anos e precisou de pouco tempo para ter seu talento reconhecido. Hoje, aos 18 anos e com 1,90m de altura, ele é meia de rede do Fluminense no vôlei de quadra.

Na areia, disputa os circuitos carioca e brasileiro na categoria sub-21. “Cheguei a pensar em desistir de ser jogador, mas o Carlão não deixou, sempre me motivou. Ele sabia que eu tinha talento e foi um grande exemplo para mim”, conta Glauber.

Outro talento lapidado por Carlão é Carlos Luciano da Silva Oliveira, o Carlinhos. Aos 23 anos e com 1,96m, ele já tem no currículo a convocação para a seleção brasileira sub-21 de vôlei de areia, que disputou o mundial da categoria na Turquia, em 2010.

No ano passado, foi campeão do circuito regional, que abrange o Sul, Sudeste e Centro-Oeste. “Meu grande sonho é disputar uma Olimpíada e ganhar uma medalha”, diz o jovem.

Boas notas são exigência de Carlão

Para participar do projeto social, Carlão impõe duas condições aos interessados. “Devem estar matriculados em uma escola e sempre com boas notas no boletim”, avisa o professor.

Além disso, é preciso apresentar atestado médico, comprovante de residência e duas fotos três por quatro. As aulas de vôlei são gratuitas.

Pelo menos quatro vezes por mês, Carlão dá palestras em escolas para atrair novos alunos. “Queremos despertar sonhos nessa juventude”, diz.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia