Força-tarefa para limpar o mangue na Baía de Guanabara

Limpeza dos manguezais deverá facilitar o crescimento do caranguejo Uçá

Por helio.almeida

Rio - Uma força tarefa foi montada pela Instituição Guardiões do Mar através do Projeto Uçá, para iniciar a Operação Oca Limpa em área de manguezal localizado nos limites da Estação Ecológica da Guanabara (ESEC-Guanabara), lado leste da Baía de Guanabara.

O movimento que acontece pela primeira vez naquela área, une biólogos dos Guardiões do Mar, 13 catadores de caranguejo da ilha de Itaoca,técnicos da APA de Guapimirim e ESEC, Agenda 21 e Secretaria de Meio Ambiente de São Gonçalo.

Durante dois meses as equipes trabalharão na retirada de resíduos sólidos desse santuário ecológico quantificando, avaliando de onde vem os resíduos e identificando possíveis principais poluidores.

Biológos%2C catadores e parceiros fazem a limpeza dos mangues dois dias da semana e o projeto será intensificado durante o defeso do caranguejoDivulgação

As coletas já começaram e, em apenas dois dias, uma extensa área, já foi limpa.A ação piloto integra a sociedade civil organizada, a administração pública municipal e federal, catadores e conta com o Patrocínio da Petrobras por intermédio do Programa Petrobras Ambiental.

“Com essa ação esperamos deixar ao menos uma porção dos manguezais da Baía em melhores condições para o crescimento do caranguejo Uçá além de proporcionar espaço para crescimento da vegetação e ainda gerar renda alternativa para os catadores, principais prejudicados com tanto lixo. Também é uma maneira de mostrarmos a sociedade como uma simples ação de jogar “um lixinho no chão” pode impactar todo um ecossistema berçário da vida marinha, o manguezal. Nós não vemos, mas nosso lixo está lá, destruindo a vida na Baía de Guanabara”, explica Pedro Belga, presidente da Ong Guardiões do Mar e Coordenador do Projeto Uçá.

O dados coletados servirão para uma ação mais efetiva na época de defeso, período em que é proibida a cata do caranguejo e catadores ficam sem ter como sustentar suas famílias. A coleta acontecerá sempre em dois dias por semana, durante dois meses. Acompanhados de técnicos do Projeto Uçá e dos parceiros, os catadores vão de barco até a entrada da Estação Ecológica e lá iniciam toda a limpeza.

Após toda a coleta de resíduos as equipes transportam tudo para a Praia de São Gabriel, na Ilha de Itaoca em São Gonçalo e efetuam triagem e pesagem no local. Depois um caminhão da Prefeitura de São Gonçalo leva todo o material até o destino final correto). Os dados são coletados em três grandes grupos (plásticos, vidro e metais), além de quantificação de lixos inusitados (tubos de imagens, sofás, teclados e monitores, entre diversos outros) e estão sendo calculados para o balanço que será feito ao final de toda a Operação Mangue Limpo.

O projeto Uçá atua em seis municípios do entorno da Baía de Guanabara: Niterói, São Gonçalo, Guapimirim, Maricá, Magé e Itaboraí.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia