Peixes fora da rede

Pesca será suspensa no maior complexo lagunar de água salgada do planeta, a Lagoa de Araruama

Por thiago.antunes

Rio - Quem curte peixe frito na hora ou camarão-cinza fresco com chuchu, pescados das águas da Lagoa de Araruama, na Região dos Lagos, terá que dar um tempo no programa. A partir de sexta-feira, 1º de agosto, a captura de todas as espécies marinhas da maior lagoa de água salgada do mundo estará proibida por três meses. O objetivo é combater a pesca predatória, garantir a reprodução das espécies e o aumento dos estoques.

A proibição abrangerá São Pedro d’Aldeia, Iguaba Grande, Arraial do Cabo, Araruama e Cabo Frio (Canal Itajuru), cidades banhadas pelos 220km² de extensão do complexo lagunar. A proibição vai até o dia 31 de outubro e vale também para os pescadores amadores. No período, cerca de 600 pescadores artesanais cadastrados em suas cidades, segundo a Secretaria de Estado do Ambiente, receberão o seguro-defeso nos três meses, no valor de um salário mínimo (R$ 724). O governo disponibilizou R$ 3,5 milhões para o pagamento dos benefícios.

Lagoa de AraruamaDivulgação

Este é o segundo ano seguido que a pesca integral é proibida na Lagoa de Araruama. A nova regra foi instituída em conjunto pelos ministérios da Pesca e do Meio Ambiente no ano passado. Não só a pesca com varas, linhas e redes estará proibida. Pelo decreto, até mesmo capturas feitas com puçá de mão de crustáceos como camarões e siris ficam suspensas.

A julgar por dados do governo, os efeitos do primeiro defeso já foram sentidos pelos pescadores locais. “Antes da suspensão da pesca, a oferta na região era de cerca de 50 toneladas de pescado por mês. Em novembro, cresceu para 120 toneladas”, exaltou o secretário de Ambiente, Carlos Portinho.

Para fazer valer a regra, agentes das guardas municipais dos cinco municípios, Batalhão Ambiental, Ibama, Inea e Marinha vão atuar na fiscalização. Quem for flagrado infringindo a lei poderá sofrer sanções que vão da perda de equipamento e pescados até multas.

Áreas do defesoArte%3A O Dia

De acordo com o secretário, no ano passado foram apreendidos 4 mil metros de redes de pesca, mas nenhum pescador chegou a ser multado. “Para este ano, esperamos menos infrações. Os pescadores e a população local entenderam que garantir o ciclo de vida das variadas espécies significa garantir a sustentabilidade de todos que vivem da pesca”, lembrou Portinho.

Boa herança a futuras gerações

Presidente da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio (Fiperj), Mirinho Braga vê o defeso como conquista da sociedade. “Protege os períodos vitais para a produção e o meio ambiente e garante rentabilidade da pesca para gerações futuras, filhos e netos de pescadores”, disse. Ele aliou outra medida importante, como a dragagem do Canal Itajuru, que aumentou o número de espécies na lagoa.

Placas de aviso do defeso serão colocadas às margens da lagoaDivulgação


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia