Setor cervejeiro ganha novos investimentos na Região Serrana

Empresários apostam em adequações de fábricas para receber visitantes da Rota Cervejeira

Por vinicius.amparo

Rio - Lançada na semana passada, a Rota Cervejeira já estimula o desenvolvimento do setor na Região Serrana. Com a novidade, empresários investem em reformas e adequações em suas cervejarias e pensam em novas fórmulas para oferecer produtos diversificados aos visitantes. O projeto estadual terá pacotes com roteiros elaborados e comercializados por agências de turismo, que incluem visitações a cervejarias e degustações.

É o caso de Giovani Buzzi, sócio da Cervejaria Buzzi, em Santa Maria Madalena. Além de criar um roteiro de visitação que envolve todas as etapas do processo de produção da bebida, o empresário pretende construir um espaço onde será instalado um pequeno museu para contar a história da cerveja e da fábrica.

"O tour vai terminar em uma central de degustação, onde o visitante poderá experimentar os produtos", explicou Giovani.

Produzida inicialmente de forma caseira, a cerveja Buzzi reúne hoje cinco sabores disponíveis. A cervejaria fabrica ainda a Bock, somente no inverno, e a Rumbier, feita a partir do melado de cana, exclusividade no mercado nacional. São, no total, 8 mil litros por mês e a previsão é de que este volume dobre até o fim do ano.

"Além de contribuir para o crescimento de minha empresa, a Rota Cervejeira será uma alavanca para estimular o turismo", afirmou o empresário.

Oferecer uma experiência completa ao turista também é o objetivo de Gustavo Ranzato, proprietário da Cervejaria Ranz, em Lumiar. Criada há cinco anos, a fábrica produz 5 mil litros de cerveja por mês. São 11 tipos da bebida, sete deles com produção fixa. Alguns misturam ingredientes da região como capim-limão e mel.

"Penso em criar receitas novas, que mudarão de tempos em tempos. Além disso, vamos criar uma programação visual na fábrica”, disse Gustavo.

Com visitação de 8 mil pessoas por mês, a Vila St. Gallen, em Teresópolis, é um conhecido espaço de degustação das cervejas Therezópolis, Sankt Gallen e Sulamericana. Apesar de já receber turistas de todo o país, o empreendimento aposta na participação na rota.

"Nossa ideia é cativar cada vez mais adeptos das cervejas especiais", afirmou a gerente-executiva da Vila St. Gallen, Ana Claudia Pampillón.

Redução do ICMS estimula o segmento

A redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para microcervejarias movimenta o mercado de cervejas e chopes artesanais fluminenses. Novas contratações, aumento da produção e ampliação das fábricas estão nos planos dos empresários, que foram beneficiados com a diminuição da tributação de 25% para 13%. A medida visa desenvolver o setor, cujo mercado consumidor cresce cerca de 20% ao ano no país.

Empresário da área de gastronomia há mais de 40 anos, Osmar Buzin decidiu explorar o mercado de cerveja artesanal há três anos, quando criou a cervejaria Noi, em Niterói. Grande admirador de vinhos, foi incentivado por um amigo a provar uma cerveja artesanal. Hoje, produz cerca de 35 mil litros da bebida por mês, de sete diferentes tipos, um deles detentor do atual título mundial de melhor cerveja preta.

"Quando inauguramos a Noi, o mercado nacional de cerveja artesanal ainda era incipiente. Estamos crescendo muito e esse incentivo do Governo do Estado vem ao encontro das nossas necessidades. A medida traz ânimo e fôlego para o setor, ajudando no crescimento das microcervejarias. Com esta novidade, planejamos comprar mais dois tanques de produção, contratar cinco ou seis novos funcionários e aumentar a produção em 65% no ano que vem", explicou Osmar.

Com apenas um ano de funcionamento, a cervejaria Fraga, em Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio, também será beneficiada com a medida. A pequena fábrica produz cerca de 3 mil litros por mês de dois tipos de cerveja – Weissbier e Blonde.

"A diminuição do imposto será de extrema relevância para as microcervejarias. Para nós, vai ajudar na redução dos custos e permitir maior fôlego para pagamento dos custos fixos e do financiamento necessário para a compra de novos equipamentos, por exemplo", disse Fredy Litowsky, um dos sócios da cervejaria.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia