Vou de Coco

Com a reabertura dos quiosques de praia na última terça, o simpático Wander Vidigal pôde voltar ao espaço onde há seis anos refresca os visitantes da Praia das Flechas com água de coco

Por O Dia

Batizada de
Batizada de "Vou de Côco", a kombi é ponto tradicional em frente à praia das Flechas -

Na última terça-feira a Prefeitura liberou os quiosques das praias de Niterói a voltarem a funcionar, após quase seis meses fechados por conta da pandemia de covid-19. O horário de funcionamento será o mesmo da prática de atividades físicas na orla: das 6h às 12h30 e das 16h às 22h. As mesas poderão ser usadas com restrições de ocupação, mas as vendas no balcão e o atendimento na areia ainda não estão autorizados.

Aposentado e há seis anos vendendo coco verde em frente à Praia das Flechas, no Ingá, Wander Vidigal posiciona seu veículo na pracinha da região. Acompanhado de seu "golzinho" com a pintura personalizada, antes do isolamento social vendia em média 50 cocos nos dias úteis e por volta de 200, aos sábados e domingos. Pouco antes da pandemia, Wander havia comprado e personalizado uma Kombi que se tornaria uma espécie de quiosque, visando oferecer um serviço mais dinâmico aos clientes, mas a Kombi carinhosamente registrada como "Vou de coco" não havia estreado até agora.

Aos 73 anos de idade, Wander literalmente contou os dias para voltar a trabalhar e até a última terça, havia somado 173 dias impossibilitado de fazer o que tanto gosta. Desde abril, o quiosqueiro recebe um auxílio emergencial de R$ 500 pago pela Prefeitura, que será mantido até dezembro. Ele destaca que a solidariedade mútua entre os fornecedores e os quiosqueiros foi fundamental para que eles tivessem condições de reabrir e voltar ao trabalho.

"No nosso caso, como todo mundo foi atingido, estamos todos tentando ser solidários um com o outro para sair dessa situação. Os fornecedores de coco ficaram com o estoque retido, eles perderam muito. Como eles não tinham para onde levar, o coco caia do pé e praticamente era jogado fora. Apenas os hortifrutis conseguiam vender, nós não, porque como estávamos fechados, nossos fornecedores não passavam nas barreiras de entrada em Niterói", relata.

A simpática Kombi enfim fez a sua estreia na última terça com o coco verde vendido no valor de R$5,00. Wander garantiu que, apesar do aumento de preços em diversos setores da indústria alimentícia, o seu serviço se mantém com mesmo preço, mas agora tomando diversos cuidados. Com a reabertura, a média de vendas durante a semana esteve entre 20 e 25 cocos, mas o otimismo é o seu grande aliado nesse momento, e ele acredita que, no final de semana, as vendas decolem.

"Aqui em Niterói muita gente fez o bom uso da máscara. Ainda não podemos aglomerar, não devemos fazer isso e é uma realidade. Devemos bater forte nessa tecla. Precisamos continuar com essa consciência de preservar a distância e usar sempre a máscara. Há de chegar a hora da tão sonhada vacina estar pronta para nos dar a imunidade para que tudo volte ao normal o mais rápido possível", almeja.

Comentários