Microsoft e Sony visam temporada de compras do fim do ano

Batalha entre os consoles aumentou esta semana com novos lançamentos das empresas

Por douglas.nunes

A Microsoft Corp. e a Sony Corp. se revezaram para exibir títulos e características exclusivas de videogames à medida que a concorrência entre seus consoles de videogames avança para a temporada de compras do fim do ano.

 Na segunda-feira a Microsoft deu início à Electronic Entertainment Expo apresentando, o Sunset Overdrive, o exclusivo Forza 2 e um pacote de títulos Halo relançados. Todos estarão à venda no fim do ano. Horas depois, a Sony contra-atacou com acesso antecipado ao Destiny, título de ação muito esperado, e outros exclusivos como o Little Big Planet 3.

Como o PS4 da Sony está na liderança desde novembro, a Microsoft utilizou seus 90 minutos para se focar nos jogadores mais assíduos, que tinham sido deixados de lado pela empresa no ano passado quando a estreia do Xbox One se focou no entretenimento não relacionado aos jogos. A Sony, aproveitando o impulso que recebeu, atacou mais forte oferecendo surpresas, de um console branco que virá junto com o Destiny ao exuberante título de ciência ficção No Man’s Sky, que o PS4 oferecerá primeiro.

“A Sony ganha pela quantidade de títulos exclusivos, mas ambas as marcas se desempenharam de maneira impecável”, disse Michael Pachter, analista da Wedbush Securities. “É verdade, os vencedores de hoje são os jogadores”.

Entre os destaques da Sony estão o lançamento por US$ 99 no quarto trimestre nos EUA e no Canadá do conversor de TV PlayStation, que permite jogar títulos antigos em televisores sem um console dedicado; o seriado de TV de super-heróis exclusivo para PlayStation Network “Powers”, que estreará em dezembro, e demonstrações do seu headset de realidade virtual Project Morpheus na exposição.

Poder gráfico

A Microsoft tem passado por dificuldades para se recuperar de reveses de marketing nos últimos 12 meses. A fabricante do software Office teve problemas para convencer os jogadores de que o controle com sensores de movimento Kinect justificava o preço de US$ 499 do Xbox One, US$ 100 a mais do que o PlayStation 4. Uma versão de US$ 399 sem o Kinect foi colocada à venda anteontem.

Ambos os consoles estão sendo vendidos mais rapidamente do que qualquer outra geração prévia. As vendas do PS4 até março quase dobram as do PS3, segundo Michael Olson, analista da Piper Jaffray Cos. Desenvolvedores de videogames estão correndo para oferecer títulos que demonstrem o poder gráfico das máquinas, disse ele.

A Nintendo Co., que superou a Microsoft e a Sony durante a maior parte da última geração de consoles, tem tido dificuldade para impulsionar o seu Wii U. A empresa fará sua apresentação no E3 na terça-feira em Los Angeles.

Natal repleto

A temporada de compras natalinas estará repleta de jogos de tiro, incluindo Call of Duty: Advanced Warfare e Destiny, da Activision; Battlefield Hardline, da Electronic Arts Inc.; Far Cry, da Ubisoft Entertainment e Evolve, da Take-Two Interactive Software Inc.

As fabricantes de consoles antes contavam com jogos exclusivos que lhes davam uma vantagem, mas atualmente há menos jogos desse tipo. Agora a maioria dos desenvolvedores de jogos lança os títulos principais para diversas plataformas e a concorrência pelos exclusivos se concentra nos conteúdos adicionais para download.

A Microsoft mostrou conteúdos exclusivos para o Call of Duty, um dos maiores jogos da indústria, com o objetivo de fazer com que os usuários passem de consoles anteriores como o Xbox 360 para o novo console.

A unidade do PlayStation é crucial no plano do CEO Kazuo Hirai para recuperar o negócio de eletrônica da Sony, com sede em Tóquio. Parte do desafio é manter os consumidores interessados com produtos exclusivos fundamentais como The Order: 1886, que sairá em 2015, tarde demais para a temporada de fim do ano.

A Microsoft, apesar de ter reduzido suas ambições em relação ao Xbox One, está contando com o console para oferecer serviços semelhantes através da web. Embora as empresas estejam tentando garantir o apoio dos jogadores, elas também estão buscando atrair consumidores massivos com ofertas de entretenimento que incluem óculos de realidade virtual e programação web própria.

“Elas estão se preparando para que os consoles estejam na sala como aparelhos multimídia”, disse Michael Pachter, analista da Wedbush.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia